Iraque: UNESCO classifica destruições do sítio arqueológico de Nimrud como ‘crime de guerra’

“Com martelos e explosivos, eles estão apagando o sítio completamente, claramente determinados em varrer todos os traços de história do povo iraquiano”, afirma Irina Bokova.

O Palácio de Ashurnasirpal, em Nimrud, no Iraque. Foto: UNESCO

O Palácio de Ashurnasirpal, em Nimrud, no Iraque. Foto: UNESCO

A Organização da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) denunciou nesta segunda-feira (13) avanços na destruição do sítio arqueológico de Nimrud, no Iraque, qualificando a ação como um “crime de guerra”.

“Condeno esse ato insano e destrutivo que acentua o horror dessa situação. Isso confirma que os terroristas não estão apenas destruindo representações de figuras e baixos-relevos”, disse a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, prometendo fazer o que estiver a seu alcance para pôr fim a esta barbárie e levar os responsáveis à justiça.

“Com martelos e explosivos, eles estão apagando o sítio completamente, claramente determinados em varrer todos os traços de história do povo iraquiano”, adicionou.

A diretora-geral reiterou a ação da UNESCO para proteger o patrimônio cultural e coordenar os esforços da comunidade internacional na luta contra o tráfico ilícito de bens culturais. A Organização trabalha neste momento com o governo do Iraque, os países vizinhos e outros parceiros para salvaguardar o patrimônio milenar.