Irã faz declarações incoerentes e ONU retira convite para país participar de conferência sobre Síria

Ministro havia garantido verbalmente entendimento da base de negociação, com implementação de governo de transição para liderar eleições, mas Estado disse publicamente não apoiar essa linha de ação.

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Foto: ONU/Evan Schneider

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, retirou nesta segunda-feira (20) o convite feito ao Irã para participar da conferência que buscará uma saída política para o conflito na Síria. Ban se disse “profundamente desapontado” pelo fato de as declarações públicas do país terem sido totalmente incoerentes com as garantias verbais dadas a ele.

Ban havia anunciado no domingo que convidou o Irã no dia 15 de janeiro para participar da abertura do evento na Suíça, dia 22, depois de o ministro das Relações Exteriores, Javad Zarif, garantir que o país compreendia que a base das negociações é a total implementação de um plano de ação adotado no chamado Comunicado de Genebra de 2012, que pede um governo de transição para liderar eleições livres e justas.

“O secretário-geral está profundamente desapontado pelas declarações públicas feitas hoje [segunda-feira, 20] pelo Irã feitas que não são coerentes com o compromisso assumido”, disse o porta-voz, Martin Nesirky, em comunicado. “Ele continua a exortar que o Irã se junte ao consenso global por trás do Comunicado de Genebra. Como o país escolheu permanecer de fora dessa compreensão básica, ele decidiu que o encontro de um dia em Montreux prosseguirá sem a participação do Irã”, acrescentou Nesirky.

Segundo o porta-voz, Ban sempre defendeu que os parceiros regionais com influência sobre as partes na Síria deveriam fazer sua parte na promoção da implementação do plano de ação, incluindo a criação de um governo de transição com plenos poderes executivos e ressaltou que tentou garantir que “todos aqueles que podem contribuir para o sucesso de um processo de paz sírio estejam presentes em Montreux para expressar sua solidariedade e apoio ao povo sírio”.

Também na segunda-feira, reportagens na imprensa indicaram que a oposição política da Síria disse que se retiraria das negociações a menos que Ban retraísse o convite ao Irã, enquanto os Estados Unidos sugeriram que poderiam apoiar a participação do Irã se o país declarasse explicitamente o apoio ao plano de ação.

Cerca de 40 Estados e organizações vão participar da abertura do evento em Montreux. O diálogo terá prosseguimento no dia 24, em Genebra.

Para o secretário-geral, este é um impulso muito aguardado e extremamente importante para a paz. “As partes sírias, a região e a comunidade internacional têm a oportunidade e a responsabilidade de acabar com a violência e começar a transição para uma nova Síria”, registra o comunicado.