‘Investir em prevenção de riscos paga dividendos altos ao salvar vidas’, afirma secretário-geral da ONU

Relatório 2015 de Avaliação Global sobre a Redução do Risco de Desastres foi lançado duas semanas antes da Terceira Conferência Mundial sobre o tema, que acontecerá entre 14 e 18 de março, em Sendai (Japão). Centenas de representantes de governos e da sociedade civil são esperados para este encontro, que deve traçar um caminho global para a próxima década.

Em Bangladesh, uma aldeia resiliente a desastres foi construída em Shymnagar depois do ciclone Aila. Foto: PNUD Bangladesh/ Nasif Ahmed

Em Bangladesh, uma aldeia resiliente a desastres foi construída em Shymnagar depois do ciclone Aila. Foto: PNUD Bangladesh/ Nasif Ahmed

O Relatório 2015 de Avaliação Global sobre a Redução do Risco de Desastres, pedindo maior investimento na prevenção de desastres como um dos alicerces para o desenvolvimento sustentável mundial,  foi lançado nesta quarta-feira (04), pelo secretário-geral da ONU na sede da Organização em Nova York.

“O relatório mostra como investir em prevenção de riscos paga dividendos altos ao salvar vidas. Ele traça um caminho em direção a um futuro mais resistente às catástrofes, “, explicou  Ban Ki-moon em uma coletiva de imprensa. “Temos que agir. Redução do risco de desastres salva vidas e reduz perdas.”

O documento foi lançado duas semanas antes da Terceira Conferência Mundial sobre a Redução do Risco de Desastres que acontecerá entre 14 e 18 de março, em Sendai (Japão). Centenas de representantes de governos e da sociedade civil são esperados para este encontro, que deve traçar um caminho global sobre redução do risco de desastres para a próxima década.

A conferência de Sendai é também a primeira reunião de um ano particularmente crucial para a ONU. Em 2015 a Organização lidera encontros para definir a agenda de desenvolvimento global pós-2015, assim como a agenda climática, assim como uma série de grandes eventos internacionais: uma reunião internacional em Paris em dezembro sobre a adoção de um texto universal sobre as alterações climáticas; a cúpula especial da ONU em setembro para a adoção de uma agenda de sustentabilidade global; e conferência sobre o financiamento para o desenvolvimento em julho, em Adis Abeba (Etiópia).