Investimento em crianças deve ser uma prioridade no Sudão do Sul, afirma UNICEF

Metade da população do mais novo país da ONU tem atualmente menos de 18 anos, enquanto o país ainda tem muitos indicadores sociais ruins, incluindo a mortalidade materna e infantil elevada.

Crianças de uma classe na Escola Básica de Muniki, no Payam Muniki, subdistrito de Juba, sul do Sudão. Foto: UNICEF/G. Cranston

Pouco tempo antes do aniversário de um ano de independência do Sudão, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) apelou hoje (6) para que os direitos das crianças sejam uma prioridade, enfatizando que elas são vitais para o crescimento e estabilidade da jovem nação.

“A fundação de um pacífico e próspero Sudão do Sul só pode ser forte se houver investimento nos jovens cidadãos do país”, disse o representante do UNICEF no Sudão do Sul, Yasmin Ali Haque, em comunicado à imprensa. “Eles precisam ser a prioridade de todos para que a próxima geração possa desempenhar um papel ativo e construtivo na construção desta nova nação.”

O Sudão do Sul tornou-se independente do Sudão em 9 de julho de 2011, seis anos após a assinatura de um acordo de paz que encerrou décadas de guerra entre o norte e o sul. Metade de sua população tem atualmente menos de 18 anos, enquanto o país ainda tem muitos indicadores sociais ruins, incluindo a mortalidade materna e infantil elevada, elevadas taxas de analfabetismo e desnutrição, e infraestrutura muito limitada. Isto torna o país um dos mais arriscados lugares do mundo para uma criança nascer.