Inundação provoca destruição e riscos à saúde em Bagdá, afirma ONU

Falta de fundos para operações põem em risco a resposta de emergência no Iraque. Regiões do país apresentam riscos à saúde agravados por conta de chuvas fortes.

As chuvas de outubro fizeram com que sistemas de esgoto transbordassem, misturando-se com as águas do alagamento e provocando problemas de saúde. Foto: Twitter ACNUR

As chuvas de outubro fizeram com que sistemas de esgoto transbordassem, misturando-se com as águas do alagamento e provocando problemas de saúde. Foto: Twitter ACNUR

Chuvas torrenciais causaram inundação em Bagdá, capital do Iraque, e em seus arredores, levando à declaração de estado de emergência nas áreas devastadas pelas precipitações. Mais de 80 mil deslocados se encontram em acampamentos neste momento, segundo o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

As chuvas de outubro fizeram com que o esgoto transbordasse, misturando-se com as águas do alagamento e provocando problemas de saúde, informou a agência. Agentes de saúde aumentaram a vigilância epidemiológica para evitar a propagação de casos de cólera.

Cerca de 400 mil pessoas precisam urgentemente de assistência e 780 mil precisam de itens de sobrevivência ou artigos domésticos essenciais.

O OCHA alertou para problemas com o financiamento da agência, que recebeu apenas 44% dos 498 milhões de dólares pedidos para o Plano de Resposta Humanitária para o Iraque. O valor cobre o período de julho a dezembro de 2015. No total, 8,8 milhões de iraquianos dependem da assistência humanitária, e esse número poderá aumentar para 10 milhões em 2016.