Início do outono e baixas temperaturas não freiam chegada de refugiados à Europa, alerta ONU

ACNUR destacou urgência da implementação do plano de realocação. “Clima frio torna travessia do mar mediterrâneo ainda mais perigosa”, afirmou representante da ONU.

Navio da Marinha italiana levou 186 pessoas que foram resgatadas no mar. Foto: ACNUR/A.D’Amato

Navio da Marinha italiana levou 186 pessoas que foram resgatadas no mar. Foto: ACNUR/A.D’Amato

Apesar da chegada do outono, o número de refugiados que chegam à Grécia deve atingir os 400.000 este ano, afirmou o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) nesta sexta-feira (2) em Genebra. Para Adrian Edwards, porta-voz do ACNUR, a situação torna fundamental que se ponha em prática o programa de realocação acompanhado de políticas que facilitem a recepção e registro dessas pessoas.

Edwards destacou que as baixas temperaturas tornam ainda mais perigosa a travessia do mar mediterrâneo. Pelo menos 102 pessoas morreram ou ficaram desaparecidas em águas gregas neste ano. Cerca de 3.000 pessoas morreram na tentativa de atravessar o mar Mediterrâneo.

Apesar de uma queda significativa no deslocamento de refugiados, passando da média de 5.000 por dia para 3.300, “qualquer melhora no tempo pode levar a uma nova explosão de imigrantes”, explicou.

“O ACNUR está preocupado que a falta de capacidade para receber essas pessoas ponha em risco o programa de realocação já acordado pelo Conselho Europeu, já que os refugiados não têm abrigo enquanto esperam pela realocação. Se isso não for imediatamente resolvido, provavelmente os refugiados migrarão para países vizinhos.”, finalizou Edwards.