Iniciativa da ONU Mulheres leva homens ‘a sentirem na própria pele’ a violência de gênero

“Sentido na própria pele” é um vídeo provocativo que permite aos homens refletirem sobre a violência que as mulheres vivenciam nas ruas. A produção independente é parte dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência e incentiva o debate sobre machismo e adesões ao movimento internacional #ElesPorElas pela igualdade de gênero.

No marco dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, produção independente se junta à ONU Mulheres para incentivar debate sobre machismo e adesões ao movimento internacional #ElesPorElas pela igualdade de gênero.

À noite, um homem percorre as ruas de uma cidade. Ele é assediado por todos os homens ao longo do seu trajeto até uma parada de ônibus. Ao entrar no coletivo, ele volta à identidade de uma mulher. Com este argumento, o filme “Sentindo na própria pele” é provocativo e pretende chamar a atenção dos homens brasileiros para a violência que as mulheres vivenciam nas ruas. Busca, ainda, engajá-los no Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade pela Igualdade de Gênero, lançado pela ONU Mulheres em 2014.

O filme tem 1m20seg. Foi rodado na cidade de Porto Alegre e só foi possível porque contou com uma rede 100% colaborativa para a sua produção. Cidadãs, cidadãos, profissionais e empresas sensíveis à causa da igualdade de gênero doaram tempo, serviços e produtos para apoiar a realização do projeto.

“Neste Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, queremos que os homens firmem compromisso com os direitos de mulheres e meninas. Eles devem tomar atitude positiva, desconstruir a violência machista, influenciar positivamente os outros homens e apoiar o pleno exercício dos direitos das mulheres”, disse representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, referindo-se a data celebrada todos os anos em 25 de novembro. Instituída em 1999 pela Assembleia Geral das Nações Unidades, a data presta homenagem ao dia 25 de novembro de 1960, quando as três irmãs Mirabal, ativistas políticas na República Dominicana, foram assassinadas.

O diretor do filme, Pedro Montenegro Barbosa, explica a motivação para a criação da peça. “O projeto surgiu através de relatos de meninas e mulheres postados nas redes sociais e tem como objetivo colocar o homem tanto no papel de assediado como assediador, para assim criar empatia, e alertá-los sobre a nocividade do machismo”, diz Pedro que é diretor de cena desde 2012. Em conjunto com Daniele Sallaberry, produtora do vídeo, consideram oportuno apoiar o movimento #ElesPorElas e promover a divulgação do filme durante os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Museu Nacional Honestino Guimarães em Brasília iluminado de laranja para apoiar os 16 Dias de Ativismo. Foto: Facebook ElesporElas

Museu Nacional Honestino Guimarães em Brasília iluminado de laranja para apoiar os 16 Dias de Ativismo. Foto: Facebook ElesporElas

Brasil laranja

Nesta quinta-feira (26) às 20h, em frente à Catedral de Brasília, a representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman; a subsecretária de Políticas para as Mulheres, Silvânia Matilde; e a colaboradora do governo de Brasília Márcia Rollemberg abriram simbolicamente a Campanha Brasília Laranja, que marca a adesão da capital à campanha mundial dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

Em parceria com a Companhia Energética de Brasília (CEB), monumentos como a Catedral de Brasília, Memorial JK, Biblioteca Nacional e STF foram iluminados de laranja, cor escolhida para simbolizar a luta das mulheres contra a violência, desde quarta-feira (25). O intuito da campanha é sensibilizar, envolver e mobilizar homens e mulheres em ações pelo fim de todas as formas de violência contra a mulher.

ElesPorElas

Ato de mobilização de adesão ao movimento #ElesPorElas (HeForShe), liderado pela comunidade cristã Abrigo, em Porto Alegre, no Parque da Redenção, em julho/agosto de 2015 Foto: Abrigo — in Porto Alegre.

Ato de mobilização de adesão ao movimento #ElesPorElas (HeForShe), liderado pela comunidade cristã Abrigo, em Porto Alegre, no Parque da Redenção, em julho/agosto de 2015
Foto: Abrigo — in Porto Alegre.

Comprometer os homens e meninos na defesa dos direitos de mulheres e meninas é o objetivo do movimento #ElesPorElas. No final de semana passada, o clássico de futebol gaúcho Grenal apoiou as causas #ElesPorElas e Cartão Vermelho à Violência contra a Mulher, em ação coordenada pelo deputado estadual Edegar Pretto, membro do Comitê Nacional Impulsor Brasil ElesPorElas (HeForShe) e coordenador da Frente Parlamentar de Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, no marco dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres. Jogadores e dirigentes do Grêmio e do Inter manifestaram-se em vídeo e fotos nas redes sociais a favor do movimento #ElesPorElas.

Caminhoneiros de todo o país estão sendo mobilizados pela Caravana Siga Bem com a peça O Cassino do Cupido, palestras sobre encaminhamento de mulheres em situação de violência para os serviços de atendimento. Neste ano, a Caravana Siga Bem centrou sua energia no enfrentamento à violência contra as mulheres. Em parceria com a ONU Mulheres, estão ocorrendo oficinas sobre estereótipos de gênero, masculinidades e realizadas pesquisas sobre a percepção dos homens sobre a violência contra as mulheres no marco da iniciativa O Valente não é Violento, da campanha do secretário-geral da ONU “UNA-SE pelo fim da violência contra as mulheres”.

Durante os 16 Dias de Ativismo, que seguirão até 10 de dezembro, estão programadas outras ações em apoio ao movimento #ElesPorElas. Na terça-feira (24), a embaixada da Bélgica no Brasil mobilizou seus funcionários para aderir às atividades. Ao longo dos 16 Dias, a Caixa promove atividades para comemoração dos 10 anos do seu Programa de Diversidade, com coleta de adesões on-line à plataforma www.heforshe.org/pt e off-line, dedicando conteúdos para o público interno por meio da intranet.

Apoie a campanha ElesporElas aqui.