Indústria quer minar esforços de controle do tabaco, afirma representante da OPAS/OMS

O Representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) / Organização Mundial da Saúde (OMS) no Brasil, Joaquín Molina, participou do lançamento do estudo “Cargas das doenças tabaco-relacionadas para o Brasil”. O estudo revelou que mais de 80% dos casos de câncer de pulmão e de laringe são atribuíveis ao tabagismo.

O Representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) / Organização Mundial da Saúde (OMS) no Brasil, Joaquín Molina, afirmou na quinta-feira (31/05) que a indústria do tabaco está tentando minar a implementação das medidas da Convenção-Quadro para o Controle de Tabaco da Organização Mundial da Saúde (CQCT-OMS).

“Enquanto mais e mais países se movem no sentido de permitir o cumprimento pleno das suas obrigações em virtude da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, os esforços da indústria do tabaco em minar o tratado se tornam cada vez mais fortes”, declarou Molina.

Ele lembrou que essa indústria também atua de outras maneiras ao tentar impedir a implementação de leis que proíbam o fumo em ambientes públicos fechados e restrinjam a publicidade, promoção e patrocínio de tabaco.

Joaquín Molina participou ontem da celebração do Dia Mundial sem Tabaco 2012 na sede da OPAS/OMS em Brasília. Durante o evento, foram apresentados os resultados do estudo “Carga das doenças tabaco-relacionadas para o Brasil”, realizado pela Aliança de Controle do Tabagismo  (ACTbr). O estudo revelou que mais de 80% dos casos de câncer de pulmão e de laringe são atribuíveis ao tabagismo.