Iêmen: ONU chega a armazém de comida após quase 5 meses sem acesso

Jovem empurra carrinho com doações de comida do PMA na capital do Iêmen, Sana’a. Foto: PMA/Annabel Symington

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) afirmou que conseguiu chegar na terça-feira (26) aos Moinhos do Mar Vermelho, um depósito de comida no Iêmen que estava inacessível desde setembro devido a confrontos armados no país. Armazém abriga trigo suficiente para alimentar 3,7 milhões de pessoas por mês. ONU avalia agora o impacto do conflito no prédio e potenciais pestes que contaminaram os alimentos.

“Os silos (de trigo) mostram evidência de danos pelos confrontos, mas sem dano estrutural aparente, com a exceção de um silo atingido no final de janeiro, o que causou basicamente um sério incêndio nesse silo específico”, explicou o porta-voz do PMA, Hervé Verhoosel.

A equipe do organismo internacional que alcançou os Moinhos também identificou sinais de uma infestação de besouros, mas não há indício de infiltração por água. De acordo com Verhoosel, a chegada do PMA ao local foi um “primeiro grande passo”, mas serão necessárias novas avaliações técnicas do armazém.

A agência da ONU explicou que o Iêmen importa em torno de 70% da sua comida, combustível e remédios diários pelo porto da cidade de Hodeida. O cais tem sido o foco de confrontos entre forças do governo e combatentes da oposição Houthi, embora um cessar-fogo apoiado pela ONU tenha sido acordado entre as partes. Negociações sobre a retirada das tropas do local também estão em andamento.

“Precisamos agora de acesso duradouro todos os dias, o máximo possível, para a equipe do PMA”, disse Verhoosel. “Mas também, mais tarde, para a equipe do moinho, para que acessem as instalações. Isso será necessário antes que possamos começar novamente a moer o trigo.”

Amostras dos grãos foram enviadas para análise, a fim de verificar se o alimento ainda é comestível. Em caso afirmativo, 51 mil toneladas poderão ser processadas nos Moinhos, onde o equipamento permaneceu intocado em sua maior parte e os geradores aparentam estar em boas condições, acrescentou o porta-voz da agência da ONU. Ainda segundo Verhoosel, foram encontrados mais de 30 mil litros de diesel no depósito.

Os desdobramentos positivos dependem de acesso continuado ao depósito, o que precisa ser garantido pelas partes em conflito. Na avaliação do porta-voz, é necessário que os atores coloquem os civis como prioridade.

Os quase quatro anos de confrontos armados entre os opositores Houthi e os apoiadores do presidente iemenita Abd Rabbu Mansour deixaram o Iêmen na pior crise humanitária do mundo. Cerca de 360 mil crianças sofrem de má nutrição aguda severa e mais de 80 mil morreram de fome. Atualmente, a ONU estima que 24 milhões de iemenitas — 80% da população nacional — precisem de assistência e proteção.

Também na terça-feira, uma conferência sobre a resposta internacional à crise no Iêmen angariou 2,6 bilhões de dólares para operações de assistência humanitária.

Doadores prometem US$2,6 bi para financiar ajuda humanitária no Iêmen