IBGE e Fundo de População da ONU ajudam países africanos a adotar coleta eletrônica em censos

Especialistas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foram nesta semana ao Senegal para capacitar 25 técnicos do país africano sobre o uso de aparelhos eletrônicos na coleta de dados para censos populacionais. Realizada em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), iniciativa teve início na segunda-feira (13) e faz parte de projeto que visa à criação de centros de referência em estatística na África.

Capacitação teve início nesta semana no Senegal. Foto: ABC

Capacitação teve início nesta semana no Senegal. Foto: ABC

Especialistas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foram nesta semana ao Senegal para capacitar 25 técnicos do país africano sobre o uso de aparelhos eletrônicos na coleta de dados para censos populacionais. Realizada em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), iniciativa teve início na segunda-feira (13) e faz parte de projeto que visa à criação de centros de referência em estatística na África.

Na próxima semana (20), outra delegação brasileira chegará a Cabo Verde, onde realizará a mesma atividade de formação, com profissionais locais. O objetivo das duas viagens é levar instituições e equipes de cada nação participante a replicar o conhecimento adquirido — em suas comunidades e também em outros países do continente. Tanto o Senegal, quanto o Cabo Verde já realizaram pesquisas censitárias eletrônicas, mas esse tipo de coleta ainda não representa 100% de todas as operações para recolher informações.

As iniciativas de capacitação integram o programa “Centros de Referência em Censos com Coleta Eletrônica de Dados”, implementado pelo UNFPA, IBGE e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), em parceria com os institutos de estatística do Senegal — a Agência Nacional de Estatística e Demografia do Senegal (ANSD) — e de Cabo Verde — o Instituto Nacional de Estatística (INECV).

“Queremos melhorar as nossas técnicas de coleta eletrônica de dados, para ampliarmos a nossa capacidade regional de compartilhamento deste conhecimento, para que cada país possa adequar à sua realidade. Desta forma, poderemos também produzir dados estatísticos de qualidade, para o desenvolvimento de políticas públicas mais assertivas e fundamentadas”, explicou Babacar Ndir, presidente da ANSD, durante o encontro no Senegal.

Com atividades até 24 de novembro, a capacitação no Senegal esclarecerá quais são as etapas e medidas necessárias para a adoção integral de tecnologias eletrônicas na coleta de informações. Discussões abordarão temas como planejamento, treinamento prévio dos recenseadores, contratação de pessoal, a identificação de quais softwares utilizar para a realização do mapeamento do território, a atualização de bancos de dados existentes, sensibilização da sociedade, disseminação de dados, entre outros.

Na avaliação do UNFPA, o projeto tem grande potencial para fortalecer as ações que já vêm acontecendo no âmbito do levantamento eletrônico de dados, alguns dos quais serão utilizados no monitoramento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS) na África. A cooperação deverá ajudar países africanos a usar tecnologias eletrônicas no próximo ciclo de censos, previsto para começar em 2020.