Hiroshima escolhe reconciliação e esperança 75 anos após a bomba

Em uma mensagem de vídeo transmitida na Cerimônia do Memorial da Paz, ocorrida no Japão nesta quinta-feira (6), o secretário-geral da ONU, António Guterres, prestou homenagem às vítimas do bombardeio atômico de Hiroshima, que devastou a cidade em 1945.

“Setenta e cinco anos atrás, uma única arma nuclear causou morte e destruição indescritíveis nesta cidade”, disse ele em seu discurso. “Os efeitos permanecem até hoje”.

No entanto, ele observou que Hiroshima e seu povo optaram por não se caracterizar pela calamidade, mas por “resiliência, reconciliação e esperança”.

Houve destruição generalizada em Hiroshima como resultado da bomba nuclear que foi lançada na cidade japonesa em agosto de 1945. Foto: ONU/Eluchi Matsumoto

Houve destruição generalizada em Hiroshima como resultado da bomba nuclear que foi lançada na cidade japonesa em agosto de 1945. Foto: ONU/Eluchi Matsumoto

Em uma mensagem de vídeo transmitida na Cerimônia do Memorial da Paz, ocorrida no Japão nesta quinta-feira (6), o secretário-geral da ONU, António Guterres, prestou homenagem às vítimas do bombardeio atômico de Hiroshima, que devastou a cidade em 1945.

“Setenta e cinco anos atrás, uma única arma nuclear causou morte e destruição indescritíveis nesta cidade”, disse ele em seu discurso. “Os efeitos permanecem até hoje”.

No entanto, ele observou que Hiroshima e seu povo optaram por não se caracterizar pela calamidade, mas por “resiliência, reconciliação e esperança”.

Como “inigualáveis ​​defensores do desarmamento nuclear”, os sobreviventes, conhecidos como hibakusha, transformaram sua tragédia em “uma voz unificadora para a segurança e o bem-estar de toda a humanidade”, disse ele.

O nascimento da ONU naquele mesmo ano está indissoluvelmente entrelaçado com a destruição causada pelas bombas nucleares que caíram em Hiroshima e Nagasaki.

“Desde seus primeiros dias e resoluções, a Organização reconheceu a necessidade de eliminar totalmente as armas nucleares”, disse Guterres. No entanto, esse objetivo permanece inalcançado.

Controle de armas cada vez menor

A rede de controle de armas e de transparência e os instrumentos de construção de confiança estabelecidos durante e depois da Guerra Fria estão se desgastando, disse o chefe da ONU. Setenta e cinco anos depois, o mundo ainda precisa entender que as armas nucleares diminuem, e não reforçam, a segurança, declarou.

Contra o pano de fundo de divisão, desconfiança e falta de diálogo, juntamente com os Estados modernizando seus arsenais nucleares e desenvolvendo novas armas e sistemas perigosos, ele disse temer que a perspectiva de um mundo livre de armas nucleares “esteja escapando ainda mais do nosso alcance”.

“O risco de armas nucleares serem usadas intencionalmente, por acidente ou por erro de cálculo é alto demais para que essas tendências continuem”, acrescentou o chefe da ONU, repetindo seu apelo aos Estados para que “retornem a uma visão e caminho comuns que levem à total eliminação das armas nucleares”.

Hora de dialogar

Embora todos os Estados possam desempenhar um papel positivo, os países que possuem armas nucleares têm uma responsabilidade especial: “eles se comprometeram repetidamente com a eliminação total de armas nucleares”, lembrou Guterres.

“Agora é a hora do diálogo, de medidas de fortalecimento da confiança, reduções no tamanho dos arsenais nucleares e maior restrição.”

Pedindo proteção e fortalecimento da arquitetura internacional de não proliferação e desarmamento, o chefe da ONU citou a Conferência de Revisão do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, no ano que vem, como uma oportunidade para os Estados “se voltarem a essa visão compartilhada”.

Ele também disse desejar ver a entrada em vigor do Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, juntamente com o do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares, que “continuam sendo uma prioridade para entrincheirar e institucionalizar a norma global contra testes nucleares.”

A lembrança sobre o ataque contra Hiroshima ocorre em meio à pandemia de COVID-19, que o secretário-geral disse ter exposto tantas fragilidades do mundo, “inclusive diante da ameaça nuclear”.

“A única maneira de eliminar totalmente o risco nuclear é eliminar totalmente as armas nucleares”, explicou.

“As Nações Unidas e eu continuaremos trabalhando com todos aqueles que buscam alcançar nosso objetivo comum: um mundo livre de armas nucleares”, concluiu o secretário-geral.

Realmente não há vencedor em uma guerra nuclear, disse o presidente da Assembleia Geral da ONU, Tijjani Muhammad-Bande.

“Devemos nos comprometer com o desarmamento nuclear, pois nunca haverá justificativa para a dizimação causada por armas nucleares”, enfatizou, exortando todos a “trabalhar incansavelmente” para fazê-lo.

Chamando o Tratado de Proibição de Armas Nucleares de “um acordo importante” no desarmamento nuclear, ele pediu assinatura e ratificação de todos os Estados-membros.

“Em memória das vítimas de Hiroshima e Nagasaki, vamos trabalhar juntos para criar o futuro que queremos: um futuro livre da ameaça existencial de armas nucleares”, concluiu o presidente da Assembleia.