Haiti: secretário-geral da ONU promete compromisso contínuo para a paz

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, prometeu compromisso contínuo para apoiar os haitianos no caminho para a paz e o desenvolvimento. Este compromisso seria uma nova parceria, afirmou, ao reconhecer a substancial contribuição dada ao país caribenho ao longo dos 15 anos da Missão de Estabilização das Nações Unidas, MINUSTAH, e a Missão das Nações Unidas para Apoio à Justiça no Haiti (MINUJUSTH).

Guterres afirmou que o novo Escritório Integrado das Nações Unidas no Haiti (BINUH), que iniciou suas atividades na última quarta-feira (16), trabalhará ao lado da equipe de país da ONU em atividades integradas “para apoiar os esforços nacionais para assegurar estabilidade duradoura e a implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.”

A Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) trabalha com membros do Conselho Eleitoral Provisional do Haiti para transportar as urnas de votação de todo o país para a capital, Porto Princípe, para contagem – Foto: Logan Abassi/ UN Photo

A Missão das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) trabalha com membros do Conselho Eleitoral Provisional do Haiti para transportar as urnas de votação de todo o país para a capital, Porto Princípe, para contagem – Foto: Logan Abassi/ UN Photo

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, prometeu compromisso contínuo para apoiar os haitianos no caminho para a paz e o desenvolvimento. Este compromisso seria uma nova parceria, afirmou, ao reconhecer a substancial contribuição dada ao país caribenho ao longo dos 15 anos da Missão de Estabilização das Nações Unidas, MINUSTAH, e a Missão das Nações Unidas para Apoio à Justiça no Haiti (MINUJUSTH).

Guterres afirmou que o novo Escritório Integrado das Nações Unidas no Haiti (BINUH), que iniciou suas atividades na última quarta-feira (16), trabalhará ao lado da equipe de país da ONU em atividades integradas “para apoiar os esforços nacionais para assegurar estabilidade duradoura e a implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.”

Em nota, o secretário-geral expressou profundo respeito em memória dos 188 militares, policiais e civis a serviço da ONU que morreram no Haiti desde 2004. Ele também elogiou a contribuição vital dos parceiros da Organização nas áreas de desenvolvimento e ajuda humanitária.

Guterres afirmou ainda estar “preocupado pela atual crise política e seu impacto na segurança e vidas dos haitianos.” Ele clamou todas as partes interessadas a se engajar “em diálogo verdadeiro e prevenir uma escalada maior da violência que ameace reverter os ganhos em estabilidade”. Nas últimas semanas, o país tem sido palco de protestos e pedidos de renúncia do presidente.

Estas condições têm criado desafios para a entrega de ajuda humanitária por parte de agências da ONU. Após um hiato, o Fundo das Nações Unidas para a Infância ( UNICEF), voltou a entregar diesel e oxigênio para 29 hospitais afetados pela crise do último fim de semana, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) entregou remédios para hospitais de Porto Príncipe. No domingo (13), pela primeira vez em três semanas, o Programa Mundial de Alimentação (PMA) conseguiu entregar comida para 14 escolas que ainda estão funcionando.

Em sua declaração, o secretário-geral da ONU pediu que a Polícia Nacional do Haiti, “que assumiu total responsabilidade pela segurança e proteção do povo haitiano – e com o apoio dado pela MINUSTAH e MINUJUSTH ao longo dos últimos anos – faça seus deveres com respeito por todas as pessoas e seus direitos humanos.”

A nota termina dizendo que o secretário-geral reitera o comprometimento da ONU com a estabilidade e prosperidade do Haiti.