Haiti e República Dominicana ampliam esforços para eliminação da raiva transmitida por cães

A raiva transmitida por cães aos humanos continua representando um problema na região das Américas, particularmente na ilha de La Española (Haiti e República Dominicana), onde continuam sendo notificados casos de raiva humana.

As representações da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) desses dois países, em coordenação com o Centro Pan-Americano de Febre Aftosa e Saúde Pública Veterinária (PANAFTOSA), organizaram no início de setembro reunião binacional para discutir projeto para a eliminação da raiva transmitida por cães aos humanos na ilha.

A raiva transmitida por cães aos humanos continua representando um problema na região das Américas, particularmente na ilha de La Española (Haiti e República Dominicana). Foto: Chefjancris/Flickr (CC)

A raiva transmitida por cães aos humanos continua representando um problema na região das Américas, particularmente na ilha de La Española (Haiti e República Dominicana). Foto: Chefjancris/Flickr (CC)

A raiva transmitida por cães aos humanos continua representando um problema na região das Américas, particularmente na ilha de La Española (Haiti e República Dominicana), onde continuam sendo notificados casos de raiva humana.

O controle e eliminação da doença são uma prioridade para esses países devido ao grande impacto de saúde pública e diante dos importantes custos econômicos, tanto diretos como indiretos, gerados pela doença a cada ano.

As representações da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) desses dois países, em coordenação com o Centro Pan-Americano de Febre Aftosa e Saúde Pública Veterinária (PANAFTOSA), organizaram no início de setembro (13 a 15) uma reunião binacional para apresentar, discutir e revisar uma proposta de projeto para a eliminação da raiva transmitida por cães aos humanos na ilha La Española.

O encontro foi coordenado pelo assessor de prevenção e controle de doenças da representação da OPAS/OMS na República Dominicana, Hans Salas, e contou com a participação de importantes autoridades dos ministérios da Saúde e da Agricultura dos dois países.

A reunião serviu também para atualizar informações sobre a situação dos países em relação à incidência da doença e a implementação dos programas de raiva, o que gerou um debate sobre as diferentes opções técnicas para seu controle e eliminação.

O projeto apresentado pretende interromper a transmissão viral da doença dentro do ciclo epidemiológico da população canina, mediante campanhas de vacinação em massa, alcançando coberturas de ao menos 80% da população canina da ilha.

Também aborda outros aspectos essenciais para a eliminação da doença, tais como a melhora da atenção contra a raiva (pré e pós exposição) em humanos; o reforço da vigilância epidemiológica e diagnóstico da raiva, assim como a atenção oportuna diante das ocorrências; o aumento da sensibilização e conhecimento sobre a raiva por parte da população; e o fortalecimento da cooperação, da colaboração e da coordenação entre os dois países.

Os governos de Haiti e República Dominicana colocaram a eliminação da raiva humana transmitida por cães em suas agendas de políticas públicas, mas ainda precisarão de financiamento externo para a implementação desse projeto em um período de três anos.

Ao concentrar os recursos em um mesmo objetivo e mediante o trabalho conjunto entre os dois países para conseguir interromper o ciclo viral da raiva no território insular, o sucesso e a sustentabilidade do projeto estão praticamente assegurados, contribuindo por sua vez para a meta regional da eliminação da raiva das Américas até 2022.