Há um mês quase 20 mil refugiados palestinos na Síria não recebem ajuda humanitária, alerta ONU

Antes da guerra, viviam em Yarmouk 160 mil pessoas; com a luta entre grupos de oposição e forças do governo, cerca de 140 mil refugiados palestinos fugiram de suas casas.

Menino palestino em Yarmouk. Foto: UNRWA/Rami Al-Sayyed

“Agora faz um mês que distribuímos pela última vez ajuda humanitária dentro do campo”, disse o porta-voz da Agência da ONU de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA), Christopher Gunness, nesta segunda-feira (30), em um comunicado à imprensa. Apesar dos relatos de uma trégua entre o governo e grupos armados de oposição no campo de Yarmouk, onde cerca de 18 mil civis estão presos em péssimas condições, a UNRWA ainda não conseguiu ter acesso ao local para realizar operações humanitárias.

“A UNRWA continua defendendo o acesso humanitário contínuo, substancial e seguro para Yarmouk, para garantir a proteção de civis palestinos e sírios”, disse Gunness, acrescentando que a agência está pronta para implementar uma resposta humanitária rápida para que as necessidades imediatas e de longo prazo para os civis de Yarmouk possam ser cumpridas.

Antes dos conflitos armados na Síria, que começou em março de 2011, Yarmouk, na periferia de Damasco, foi o lar de mais de 160 mil refugiados palestinos. Com presença de grupos armados de oposição e forças do governo controlando Yarmouk desde dezembro de 2012, cerca de 140 mil refugiados palestinos fugiram de suas casas.