Guterres pede apoio de parlamentares para atacar problemas globais

Em discurso na quinta-feira (21) a parlamentares de todo o mundo reunidos na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, o chefe da ONU pediu apoio para leis e financiamento de iniciativas da Organização relacionadas a problemas globais como mudança climática, migração descoordenada e perigos de algumas das novas tecnologias.

“Como ex-parlamentar, eu sentia a pesada responsabilidade de representar pessoas e tentar avançar com seus desejos”, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, eleito sete vezes ao Parlamento de Portugal. Guterres também foi primeiro-ministro do país por mais de seis anos.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi estabelecida pelos países-membros da ONU no fim de 2015. Foto: ONU

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi adotada pelos países-membros da ONU no fim de 2015. Foto: ONU

Em discurso na quinta-feira (21) a parlamentares de todo o mundo reunidos na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, o chefe da ONU pediu apoio para leis e financiamento de iniciativas da Organização relacionadas a problemas globais como mudança climática, migração descoordenada e perigos de algumas das novas tecnologias.

“Como ex-parlamentar, eu sentia a pesada responsabilidade de representar pessoas e tentar avançar com seus desejos”, disse o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, eleito sete vezes ao Parlamento de Portugal. Guterres também foi primeiro-ministro do país por mais de seis anos.

“Parlamentos podem ser bastiões da democracia e uma conexão crucial entre o nacional e o global. Através de legislações e decisões sobre gastos, parlamentares podem contribuir significativamente para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”, disse Guterres a membros da União Interparlamentar (UIP). A organização de 130 anos trabalha em parceria com a ONU para reforçar a responsabilização e garantir que parlamentares estejam envolvidos em decisões globais.

Guterres, eleito ao Parlamento aos 26 anos, lamentou que “parlamentos ainda sejam amplamente uma esfera dominada por homens mais velhos”, destacando que “o mundo precisa de mais mulheres parlamentares, e mais parlamentares jovens”.

Paradoxos e desafios de nossos tempos

Guterres destacou os principais paradoxos enfrentados pelo mundo atualmente, entre eles, o fato de problemas estarem mais e mais conectados, mas as respostas continuarem fragmentadas; uma economia crescente, mas em desaceleração; os avanços permitidos pela globalização e por avanços tecnológicos, que também são responsáveis por desigualdades acentuadas.

“Pessoas, setores e regiões estão sendo deixados para trás – criando uma sensação de frustração”, disse. “Isso tem sido um fator para diminuir a confiança em governos, no ‘establishment’ político e em organizações internacionais.”

“É nosso dever nos parlamentos e na ONU restabelecer a confiança”, afirmou Guterres, em discurso ao lado da presidente da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa.

Em alerta sobre os perigos da multipolaridade, que descreveu como um “fator de equilíbrio”, mas “não uma garantia de paz e segurança”, Guterres afirmou que o mundo precisa de um “multilateralismo inclusivo” e conectado.

“Estou profundamente convencido de que não há outra forma de lidar com desafios globais a não ser com respostas globais, organizadas de maneira multilateral”, afirmou. Isso, segundo Guterres, deve incluir cooperação íntima com e entre instituições intergovernamentais, como Banco Mundial, União Africana, Liga Árabe e outras, mas também com comunidade empresarial, sociedade civil, academia e parlamentos.

Desafios da cooperação

Guterres listou alguns dos grandes desafios atuais e crescentes para a cooperação internacional: mudança climática, migração, populismo e nacionalismo crescentes, e novas tecnologias frequentemente descritas como parte da “Quarta Revolução Industrial”.

O secretário-geral da ONU citou as muitas notícias recentes que provam os benefícios do multilateralismo – como os recentes acordos de paz na República Centro-Africana e no Iêmen, a quantidade intensa de ajuda humanitária entregue em 2018 e os acordos sobre ação climática e migração.

Com objetivo de alcançar ainda mais em 2019, Guterres afirmou que irá convocar uma Cúpula sobre o Clima em setembro para “mobilizar ação, parcerias, financiamento e, acima de tudo, ambição”.

Sobre as novas tecnologias, o Painel de Alto Nível para Cooperação Digital deve relatar nos próximos meses como colher os benefícios de novas tecnologias e da inteligência artificial, enquanto ao mesmo tempo fornece proteção contra riscos.


Comente

comentários