Guiana e Suriname são primeiros países banhados pelo Caribe a participar do Programa de Controle de Contêineres do UNODC

Programa que busca reduzir o comércio internacional de drogas por via marítima chega ao Caribe, rota do tráfico da América do Sul para a América do Norte e Europa.

Guiana e Suriname são os dois primeiros países banhados pelo Caribe a participar do Programa de Controle de Contêineres, implementado junto aos países para melhorar a segurança de portos e prevenir o uso ilegal de contêineres marítimos no tráfico de drogas e outras atividades do crime organizado transnacional, como o tráfico de produtos químicos usados na fabricação de drogas (precursores), contrabando de mercadorias (incluindo produtos falsificados), evasão fiscal e possíveis atos terroristas.

Os dois países assinaram, recentemente, memorandos de entendimento com o Escritório da Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) para a criação de unidades conjuntas de controle dos portos de Georgetown (porto de João Fernandes), na Guiana, e de Nieuwe Haven, no Suriname. Um programa de treinamento para oficiais de duas semanas será realizado entre 1º e 12 de outubro e espera-se que as unidades comecem a funcionar em meados de outubro.

O Caribe tem se tornado cada vez mais vulnerável ao fluxo ilegal de drogas da América do Sul rumo a América do Norte e a Europa por meio de contêineres marítimos, especialmente devido ao aumento do controle e da segurança nas fronteiras de países latino-americanos. Devido à localização geográfica, Guiana e Suriname enfrentam ameaças significativas do crime organizado transnacional em relação ao comércio de contêineres.

“A assinatura destes memorandos de entendimento pelos governos da Guiana e do Suriname é um exemplo significativo dos esforços do UNODC para aumentar e renovar a sua presença no Caribe. Estes esforços serão ainda mais fortalecidos com o reestabelecimento de um escritório do UNODC para o Caribe (no âmbito do Escritório Regional no Panamá), que entrará em funcionamento no início de 2013 e que vai se concentrar no fornecimento de programas adaptados para a singularidade da região”, afirmou o gerente regional do UNODC para o Programa de Controle de Contêineres, Troels Vester. Ainda este ano é esperado que Jamaica e República Dominicana também implementem unidades similares.

Sobre o Programa

O UNODC e a Organização Mundial das Alfândegas lançaram o Programa de Controle de Contêineres em 2006, para impulsionar os esforços dos países em relação à fiscalização e a detecção de bens ilícitos transportados por meio de contêineres marítimos. Desde a sua criação, o Programa tem alcançado resultados notáveis, apreendendo 195 contêineres de drogas e 487 contêineres de mercadorias fraudulentas e contrabando. O programa passou por uma rápida expansão na América Latina, com êxitos significativos em unidades de controle de portos na Costa Rica, Equador, Guatemala, Panamá e Paraguai, com mais de 13 toneladas de cocaína apreendidas desde o início deste ano.

Atualmente, o Programa de Controle de Contêineres possui 30 unidades portuárias operacionais de controle em 14 países. Localizado nas principais regiões produtoras de drogas ilícitas, bem como ao longo das rotas comerciais marítimas utilizadas para o transporte de drogas ilícitas, precursores químicos e de contrabando de mercadorias, o programa coopera com o fortalecimento da segurança nacional e internacional.