Governo do Pará e ONU firmam acordo para diminuir impactos negativos de grandes projetos

O plano desenvolvido pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat) incentiva a promoção do desenvolvimento sustentável e diminuição dos efeitos negativos provocados por empreendimentos nas áreas urbanas e rurais dos municípios de influência.

Vista de Belém, Pará. Foto: Flickr/Bernardo Barlach (cc)

Vista de Belém, Pará. Foto: Flickr/Bernardo Barlach (cc)

O Pará será modelo do plano desenvolvido pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat), que pretende implementar uma metodologia para antever problemas em territórios impactados por grandes empreendimentos, como hidrelétricas e mineradoras. Segundo anúncio feito pela agência da ONU nesta quinta-feira (20), o Memorando de Entendimento foi assinado esta semana, em Belém, capital do estado.

O plano tem como principal matriz diminuir os impactos sociais e ambientais provocados pela instalação de grandes projetos, nas áreas urbanas e rurais dos municípios de influência. Segundo a Dialog, parceira do ONU-Habitat, foram realizados diversos estudos, desde 2012, para definir os formatos experimentais de antecipação de possíveis danos nessas regiões.

O diretor do Escritório Regional para a América Latina e o Caribe do ONU-Habitat, Elkin Velásquez, destacou que as Nações Unidas têm uma visão clara de que, dentro dos novos objetivos de desenvolvimento sustentável nos territórios com grandes empreendimentos, está o de promover a melhoria da qualidade de vida das pessoas que ali vivem.

O governador do Pará, Simão Jatene, lembrou que o estado atrai atualmente grandes empreendimentos e que esta iniciativa colaborará para melhorar a qualidade de vida das comunidades impactadas no entorno.

“A grande alavanca desse projeto é antecipação, para que se possam antever os problemas antes que eles se instalem. A ONU tem a expertise global em projetos como esse e acreditamos que teremos muita sinergia para avançarmos juntos. Acredito que a gente pode conseguir fazer diferente, sempre com foco no desenvolvimento social da nossa gente”, afirmou Jatene.