Gestora diz que projeto da ONU no Ceará dá protagonismo a minorias sociais do meio rural

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Para Íris Tavares, coordenadora do Projeto Paulo Freire, programa dá às mulheres, indígenas, pescadores artesanais e quilombolas o protagonismo e os instrumentos necessários para a produção rural. Iniciativa é implementada em 600 comunidades rurais pobres do Ceará pelo governo e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), uma agência das Nações Unidas.

Agricultora de Quixeré, no Ceará. Foto: Governo do Ceará/José Wagner

Agricultora de Quixeré, no Ceará. Foto: Governo do Ceará/José Wagner

No Ceará, representantes do governo apresentaram nesta semana um balanço do Projeto Paulo Freire, iniciativa implementada em parceria com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), uma agência das Nações Unidas. O programa de fomento produtivo visa erradicar a pobreza em 600 comunidades rurais de 31 municípios. Autoridades avaliaram andamento das atividades em Campos Sales, Tauá e Sobral.

Para a coordenadora do projeto, Íris Tavares, o Paulo Freire dá às minorias sociais, mulheres, indígenas, pescadores artesanais e quilombolas o protagonismo e os instrumentos necessários para a produção rural.

“Acredito que todos nós devamos abraçar esse projeto pela importância para essas famílias de agricultores rurais”, disse a gestora durante evento de avaliação que reuniu, nos dias 3 e 4 de abril, instituições parceiras, entidades sindicais, políticos e também beneficiários da iniciativa.

Para o secretário do Desenvolvimento Agrário, Dedé Teixeira, uma das provas do novo momento que o projeto vive é a disponibilização de mais 25 milhões de dólares para o Paulo Freire, que tem parte de seu orçamento financiado pelo fundo da ONU.

“Hoje, o que estamos discutindo com o FIDA é se vamos ampliar para mais comunidades dos mesmos municípios, a partir dos critérios elegíveis, ou se ampliamos para mais municípios”, explicou o chefe da pasta estadual.

“Após vencermos diversos desafios, todas as comunidades estão mobilizadas e capacitadas para receberem efetivamente os projetos produtivos do Projeto Paulo Freire, o que espero, deve acontecer ainda no segundo semestre deste ano”, acrescentou o secretário.

“Valorizem o que vocês estão acessando que tenho certeza que esses projetos poderão mudar as vidas de vocês”, completou.


Mais notícias de:

Comente

comentários