Gaza: Agência da ONU fecha centros de ajuda humanitária após invasão de manifestantes

Invasão de escritório para refugiados palestinos veio após anúncio sobre redução de programa de assistência financeira devido à falta de financiamento. Funcionário local classificou incidente como “completamente inaceitável”.

Um senhor do lado de fora de sua tenda fornecida pela UNRWA na área de Ezbet Abed Rabbo, norte de Gaza. Foto: IRIN/Suhair Karam

Um senhor do lado de fora de sua tenda fornecida pela UNRWA na área de Ezbet Abed Rabbo, norte de Gaza. Foto: IRIN/Suhair Karam

A agência das Nações Unidas que fornece proteção e assistência aos refugiados palestinos afirmou nesta quinta-feira (4) que está temporariamente fechando todos os centros de socorro e distribuição após manifestantes, irritados com cortes de programas, terem invadido seu escritório em Gaza.

“O incidente é uma escalada dramática e perturbadora de uma série de manifestações que ocorreram ao longo da semana passada”, afirmou a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA) em um comunicado.

“Estas manifestações afetam nossa capacidade de fornecer serviços aos refugiados palestinianos em Gaza e, por ter sido atacada a nossa sede, afetam também nossas operações na Cisjordânia, Jordânia, Líbano e Síria”, declarou a Agência.

Muitas outras instalações da UNRWA já tinha sido fechadas devido às manifestações. Com este protesto adicional, a UNRWA disse que a segurança de seu pessoal é uma preocupação crucial, e que fecharia os centros de ajuda e distribuição “até que garantias sejam dadas por todos os grupos relevantes de que as operações da ONU possam continuar sem obstáculos”.

A invasão veio após um anúncio feito pela UNRWA de que iria reduzir seu programa de assistência financeira devido a déficits orçamentários.

O Diretor de Operações da UNRWA em Gaza, Robert Turner, disse que, para mitigar os efeitos das reduções, a Agência havia introduzido e expandido seu programa de criação de empregos para as famílias mais pobres de refugiados em Gaza.

Além disso, o programa de distribuição em grande escala de alimentos da UNRWA, com mais de 800 mil beneficiários, “continuará inalterada”, ressaltou Turner.

Ele disse que, embora a Agência respeite o direito das pessoas à manifestação pacífica, o que aconteceu na quinta-feira (4) foi “completamente inaceitável”.

“A situação poderia muito facilmente ter resultado em ferimentos graves para o pessoal da UNRWA e para os manifestantes. Esta escalada, aparentemente pré-planejada, foi injustificada e sem precedentes.”

A UNRWA chamou todos os grupos por trás do incidente “para cessar imediatamente de incitar multidões nestas manifestações e agir de forma responsável”.

Ele também pediu às autoridades que desempenhem o seu papel de proporcionar segurança e garantir que as manifestações permaneçam pacíficas, encorajando os doadores a continuar a financiar os programas vitais de ajuda humanitária da UNRWA.