Gâmbia desiste de sair do Tribunal Penal Internacional; ONU elogia decisão

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

“A Gâmbia, como tantos outros países africanos, desempenhou um papel importante nas negociações que conduziram à adoção do Estatuto de Roma e foi um dos seus primeiros signatários”, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Sede do Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia. Foto: ONU / Rick Bajornas

Sede do Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia. Foto: ONU / Rick Bajornas

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, parabenizou na quinta-feira (16) o anúncio da Gâmbia de revogar a sua retirada do Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional (TPI).

De acordo com comunicado emitido pelo seu porta-voz, o dirigente máximo da ONU está confiante de que os Estados parte continuarão fortalecendo o Tribunal através de um diálogo construtivo.

“A Gâmbia, como tantos outros países africanos, desempenhou um papel importante nas negociações que conduziram à adoção do Estatuto de Roma e foi um dos seus primeiros signatários”, acrescentou.

O comunicado também observou que, nas últimas duas décadas, o mundo deu passos decisivos para a construção de um sistema verdadeiramente global de justiça penal.

A Gâmbia havia notificado formalmente o chefe da ONU sobre sua retirada do Estatuto de Roma em novembro do ano passado – uma decisão que o secretário-geral lamentou profundamente.


Comente

comentários