Futuro das cidades em discussão

Começou hoje (11/04) a 23ª sessão do Conselho de Administração do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT), com ênfase em novas formas de lidar com a rápida urbanização das cidades de todo o mundo.

ONU-HABITATComeçou hoje (11/04) a 23ª sessão do Conselho de Administração do Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT), com ênfase em novas formas de lidar com a rápida urbanização das cidades de todo o mundo. A reunião acontece em Nairóbi, no Quênia, onde fica a sede do Programa.

Intitulado “Desenvolvimento urbano sustentável através da expansão do acesso equitativo à terra, habitação, serviços básicos e infraestrutura”, o evento foi aberto pelo Presidente queniano, Mwai Kibaki, que disse que as altas taxas de urbanização trazem pobreza urbana, desemprego, transporte inadequado, e a proliferação de assentamentos precários e favelas. “Estamos enfrentando a realidade na qual a maioria das pessoas vive em áreas urbanas. A previsão é de que até 2020 a população urbana global atingirá 4,2 bilhões e atingirá 70% em 2050”, disse Kibaki.

O Presidente queniano disse que não há maneira de evitar o processo de urbanização e que todas as partes devem assumir suas responsabilidades e enfrentar os desafios da urbanização.

O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, em um discurso lido pela Diretora Executiva Adjunta do ONU-Habitat, Inga Bjork Klevby, disse que era urbana na qual o mundo está entrando tem muitas incógnitas, mas algumas certezas, como os perigos associados à mudança climática. Ban afirmou que o desafio coletivo é incentivar o desenvolvimento urbano sustentável e a transição para uma economia verde. “As discussões são oportunidades importantes para garantir que a agenda do desenvolvimento urbano se reflita na próxima Conferência sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio +20”.

Em seu discurso, o Diretor Executivo do ONU-HABITAT, Joan Clos, disse que, apesar de que as cidades estão enfrentando muitos desafios, estes podem ser alcançados se o planejamento urbano é pensado cuidadosamente. “Nos últimos 20 anos a cidade tem sido vista como um espaço de problemas, o pessimismo nos levou a falta de ação. No entanto, se olharmos para a história vemos que a cidade tem sido um lugar de crescimento econômico e pessoal”, afirmou o Diretor Executivo, que pediu aos planejadores que parassem de falar em crise nas cidades e estivessem mais otimistas sobre o futuro das cidades. “Um lugar para começar é a rua. Se bem projetadas podem trazer benefícios para outras partes da cidade.”

O Conselho de Administração é um órgão subsidiário da Assembleia Geral das Nações Unidas e serve como um organismo intergovernamental das decisões do ONU-HABITAT.  Ele envia relatórios à Assembleia Geral, por intermédio do Conselho Econômico e Social (ECOSOC) da ONU.