Furacão Matthew danificou mais da metade dos locais de tratamento de cólera no Haiti, diz OPAS

Agências da ONU prestam atendimento médico e distribuem produtos para purificação da água na luta contra a cólera no Haiti. Foto: UNICEF

No Haiti, 40 centros de tratamento de cólera — de um total de 74 — foram danificados pelo Furacão Matthew. Em alguns departamentos do país, como Grand’Anse, quase metade dos centros de saúde foi gravemente atingida pelo fenômeno climático e continuam com infra-estruturam precária para atendimento.

O alerta é da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), que fez um apelo na quinta-feira (3) para que a comunidade internacional apoie a nação caribenha em sua reconstrução. Os dados mais recentes do governo haitiano mostram que mais de 175 mil pessoas ainda estão em abrigos, enquanto mais de 1,4 milhão de indivíduos necessitam urgentemente de ajuda humanitária.

Não são apenas as clínicas menores e comunitárias que foram impactadas pelo furacão. Grandes hospitais e centros para tratamento de doenças específicas, como a cólera, também precisam de reparos. Para responder à questões consideradas prioritárias, autoridades e a agência regional da ONU precisam de 9 milhões de dólares em fundos de emergência.

De acordo com a OPAS, no departamento de Sud, 28% dos centros de saúde sofreram algum dano e 8% estão fechados. Em Grand’Anse, 43% dos estabelecimentos foram severamento atingidos e 7% estão fechados.

Segundo o Ministério da Saúde do país, restaurar os serviços de atendimento a um nível funcional requer não só a reparação das instalações, mas também o fornecimento de eletricidade, água e saneamento. Auxiliar profissionais de saúde que foram afetados pela destruição do Matthew também foi considerado fundamental na avaliação da pasta.

“As principais necessidades são renovar as estruturas de saúde existentes com reparações duradouras, aumentar a assistência humanitária nas áreas rurais e melhorar a qualidade da água e saneamento”, disse o representante da OPAS no país, Jean-Luc Poncelet.

O organismo regional planeja uma campanha de vacinação na próxima terça-feira (8) para 820 mil pessoas em 15 comunas afetadas pelo Matthew que têm reportado casos de cólera ou mortes.

Prioridades

Em parceria com o Ministério da Saúde, a agência regional das Nações Unidas identificou áreas prioritárias na resposta à crise humanitária. São elas:

  • Reestabelecer a capacidade de prestação de serviços de saúde e o acesso a eles nas áreas mais afetadas;
  •  Aumentar a vigilância epidemiológica para ajudar na detecção precoce e no manejo oportuno dos surtos de doenças;
  •  Intensificar as medidas de controle de vetores e proteger a saúde ambiental nas áreas atingidas;
  •  Garantir uma resposta rápida e eficaz aos surtos de cólera nas comunidades afetadas;
  •  Apoiar uma coordenação eficaz da assistência humanitária e a gestão da informação para abordar as necessidades humanitárias mais urgentes.

“Estamos gratos pela ajuda que temos recebido da Comissão Europeia, USAID, França, Holanda, Espanha, Canadá, Andaluzia e Botsuana”, afirmou Poncelet, que reiterou que a OPAS continuará apoiando o Haiti em diversas frentes no contexto pós-furacão.