Furacão Matthew: 1,4 milhão de pessoas precisam de assistência emergencial no Haiti

Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários pediu 119 milhões de dólares para responder aos danos causados pela passagem do furacão Matthew no Haiti e para prestar assistência, nos próximos três meses, a cerca de 1,4 milhão de pessoas em necessidade urgente no país; saiba aqui como ajudar.

Furacão Matthew causou danos generalizados às cidades de Les Cayes e Jeremie. Foto: MINUSTAH / Logan Abassi

Furacão Matthew causou danos generalizados às cidades de Les Cayes e Jeremie. Foto: MINUSTAH / Logan Abassi

O Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) pediu nesta segunda-feira (10) 119 milhões de dólares para responder aos danos causados pela passagem do furacão Matthew no Haiti e para prestar assistência, nos próximos três meses, a cerca de 1,4 milhão de pessoas em necessidade urgente no país.

De acordo com OCHA, o recurso tem como alvo grupos vulneráveis em setores prioritários identificados, e leva em conta as necessidades a nível nacional, bem como as necessidades das agências e dos parceiros humanitários que atuam no país.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que a ONU está mobilizando forças em todas as frentes para apoiar a população afetada pelo furacão, o governo haitiano e os grupos de assistência da região.

Ele pediu que os países em todo mundo mostrem solidariedade e generosidade, e trabalhem juntos para responder de maneira eficiente à situação de emergência.

“Expresso minha mais forte solidariedade ao povo do Haiti. Aproveito esta oportunidade novamente para expressar as minhas condolências e mais profundos pêsames às pessoas que foram severamente afetadas pelo furacão Matthew”, frisou o dirigente máximo da ONU.

Na sexta-feira (7), o Fundo Central de Resposta à Emergência (CERF) emprestou 8 milhões de dólares ao Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), para que a resposta ao agravamento da epidemia de cólera no Haiti seja intensificada.

Desde o início do ano, foram registrados cerca de 28 mil casos de cólera no país, e mais de 240 pessoas morreram devido à doença. A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que um possível surto de cólera pode ocorrer na região em decorrência das inundações provocadas pela passagem do furacão.

“Casas, escolas e instalações de tratamento de cólera foram destruídas e os sistemas de água, bem como as estradas e pontes, foram severamente danificados”, disse o chefe humanitário da ONU, Stephen O’Brien.

“Esses danos representam um grande impacto para os esforços de reconstrução do Haiti e para a luta contra a cólera no país”, acrescentou.

“Há muito sofrimento e dificuldade; algumas das comunidades foram quase totalmente destruídas pela força do vento. Além disso, os abrigos e as infraestruturas públicas, incluindo hospitais e escolas, foram severamente afetados”, afirmou o diretor do OCHA no Haiti, Enzo di Taranto.

Enzo acrescentou que também houve danos significativos aos sistemas de água e de fornecimento elétrico do país.

Até o momento, de acordo com dados da imprensa, pelo menos 877 pessoas morreram devido ao furacão e ao menos 60 mil pessoas precisam de abrigos emergenciais.

PNUD está pronto para apoiar o Haiti na recuperação dos efeitos do furacão Matthew

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), por sua vez, designou uma equipe para auxiliar o sistema nacional de gestão de desastres. A agência da ONU também enviará suprimentos para apoiar a população e o governo do Haiti, que inicia o processo de recuperação dos estragos causados pelo furacão mais forte que atingiu o país em mais de 50 anos.

“O sul do país sofreu os piores impactos do furacão e ainda está inacessível. Obviamente, tememos que a devastação na região seja imensa”, disse a diretora do PNUD no Haiti, Yvonne Helle.

“Independentemente do tamanho dos impactos, o povo haitiano precisará da solidariedade da comunidade internacional para recuperar sua dignidade e condições de vida.”

“O PNUD trabalha no Haiti há mais de 40 anos. Estamos prontos para ajudar o Haiti no curto prazo e estaremos aqui também no longo prazo para auxiliar na resposta à crise, recuperação e retorno ao caminho do desenvolvimento, com base em nossa vasta experiência em situações de crise”, disse Helle.

O PNUD também está arrecadando fundos para ajudar nos esforços para a recuperação do país. O público pode fazer doações por meio deste link: http://bit.ly/supportundphaiti.

UNICEF soa o alarme em nome de 500 mil crianças nas áreas mais atingidas

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) informou que cerca de 500 mil crianças em idade escolar vivem nos departamentos de Grande Anse e Ground South – as áreas mais atingidas pelo furacão Matthew.

De acordo com a agência da ONU, cerca de 175 escolas situadas na região foram gravemente danificadas, enquanto outras 150 em todo o país estão sendo usadas como abrigos.

“A prioridade é garantir que as crianças tenham acesso à água potável, tendo em vista que elas são particularmente vulneráveis a doenças transmitidas pela água”, disse o porta-voz da agência, Christophe Boulierac, a repórteres em Genebra, acrescentando que várias unidades de saúde também foram danificadas e precisam ser reparadas.

Na última sexta-feira (7), a agência da ONU enviou um avião de carga com suprimentos humanitários para Porto Príncipe, capital do país.

O avião estava carregado de suprimentos sanitários e de higiene, produtos para testar a segurança da água e purificá-la, kits educativos e de desenvolvimento infantil e equipamentos de saúde e nutrição para crianças, adolescentes e mulheres nas áreas mais severamente atingidas pelo furacão Matthew.

Como ajudar

A ONU atua na resposta ao furacão ‘Matthew’ antes mesmo de sua chegada ao país caribenho, incluindo por meio do apoio dos militares brasileiros; acompanhe clicando aqui.

O Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA), por exemplo, está fornecendo assistência humanitária para mais de 300 mil pessoas; saiba como doar em http://bit.ly/2cZay1M e http://bit.ly/2cZ9uuQ.

O UNICEF é outra agência da ONU que apoia a resposta ao furacão: saiba como ajudar em www.unicef.org/appeals/haiti.html.

O PNUD, agência de desenvolvimento da ONU, também está na linha de frente: http://bit.ly/2cZatei.


Comente

comentários