Fundo de População da ONU vai apoiar mais de 700 mil mulheres e meninas no Iraque

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Fundo de População da ONU (UNFPA) vai aumentar a assistência humanitária de emergência para apoiar mais de 700 mil mulheres e crianças atingidas pelo conflito no Iraque.

A ajuda, que inclui serviços de saúde reprodutiva em áreas recém-recuperadas em Mossul e entrega de kits de assistência a cerca de 120 mil mulheres e meninas deslocadas do país, será possível devido à doação adicional de 5 milhões de euros realizada pela Comissão de Ajuda Humanitária Europeia.

UNFPA distribui kits contendo itens de higiene para preservar a dignidade de mulheres e meninas que fogem de Mossul, no Iraque. Foto: UNFPA Iraque

UNFPA distribui kits contendo itens de higiene para preservar a dignidade de mulheres e meninas que fogem de Mossul, no Iraque. Foto: UNFPA Iraque

O Fundo de População da ONU (UNFPA) informou nessa semana (9) que vai aumentar a assistência humanitária de emergência para apoiar mais de 700 mil mulheres e crianças atingidas pelo conflito no Iraque.

A ajuda, que inclui serviços de saúde reprodutiva em áreas recém-recuperadas em Mossul e entrega de kits de assistência a cerca de 120 mil mulheres e meninas deslocadas do país, será possível devido à doação adicional de 5 milhões de euros realizada pela Comissão de Ajuda Humanitária Europeia (ECHO, na sigla em inglês).

“Recuperar os serviços de saúde essenciais em áreas afetadas por conflitos em Mosul é uma prioridade para a União Europeia [UE]. As mulheres grávidas e deslocadas e as meninas que sobreviveram às dificuldades do conflito receberão serviços médicos de urgência muito necessários”, disse o chefe de gabinete da ECHO no Iraque, Javier Rio-Navarro.

A contribuição da UE permitirá ainda para que o UNFPA crie e administre três maternidades na região, bem como apoie a aquisição e o funcionamento de duas unidades móveis de prestação de serviços e de duas clínicas móveis de saúde reprodutiva em distritos e bairros em Mossul e nas províncias de Anbar, Kirkuk e Salah al-Din.


Mais notícias de:

Comente

comentários