Fundo de População da ONU reconhece 19 unidades de saúde do DF

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Um serviço de saúde inclusivo, que se preocupa com as questões sexuais e reprodutivas dos jovens, é acessível e livre de discriminação. Essas são características comuns às 19 iniciativas e unidades de atendimento certificadas na quinta-feira (29), em Brasília, pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Agência da ONU reconheceu centros clínicos do Distrito Federal que oferecem serviços adequados para os adolescentes, considerando as peculiaridades dessa população.

Profissionais de saúde do DF exibem o certificado do selo Chega Mais, para serviços de atendimento voltados à população adolescente. Foto: UNFPA/Thais Rodrigues

Profissionais de saúde do DF exibem o certificado do selo Chega Mais, para serviços de atendimento voltados à população adolescente. Foto: UNFPA/Thais Rodrigues

Um serviço de saúde inclusivo, que se preocupa com as questões sexuais e reprodutivas dos jovens, é acessível e livre de discriminação. Essas são características comuns às 19 iniciativas e unidades de atendimento certificadas na quinta-feira (29), em Brasília, pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Agência da ONU reconheceu centros clínicos do Distrito Federal que oferecem serviços adequados para os adolescentes, considerando as peculiaridades dessa população.

Para o representante do UNFPA no Brasil, Jaime Nadal, é necessário ampliar o olhar dos gestores, profissionais e serviços sobre as necessidades da juventude. “Nota-se que as e os adolescentes querem ter uma vida saudável, com segurança e livre de discriminações, querem maior protagonismo e espaços de participação, buscam informações corretas em linguagem adequada e um diálogo aberto com o mundo adulto, com desconstrução de preconceitos e dogmas”, afirmou.

No Brasil, 18% dos bebês nascem de mães que têm menos de 19 anos. A gravidez na adolescência muitas vezes está associada à falta de projetos de vida e se torna um fator de perpetuação dos ciclos de pobreza e exclusão — 40% das mães adolescentes abandonam a escola por causa da maternidade. O UNFPA trabalha em prol da saúde sexual e reprodutiva das pessoas, a fim de garantir que todos os cidadãos tomem decisões informadas planejamento familiar.

Entre os organismos certificados, estavam serviços ambulatoriais, programas de atenção a vítimas de violência, unidades do sistema socioeducativo, Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e serviços da atenção básica. Com o reconhecimento, o objetivo agora é compor uma rede de diálogo entre as instituições. A validade do Selo é de dois anos, podendo ser renovada por igual período por meio de uma nova chamada pública.

A cerimônia de entrega do selo Chega Mais contou com a presença do secretário adjunto de Assistência à Saúde, Marcus Quito, do secretário adjunto da Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude, Antônio Carlos Filho, e da primeira-dama de Brasília, Márcia Rollemberg.

Com uma chamada pública, o processo de certificação começou em 1º de junho de 2018. Foram mais de 200 profissionais inscritos, de diversos perfis da área de saúde. A certificação foi feita a partir de três métodos: a autoavaliação das equipes, a avaliação do serviço por parte de adolescentes usuários e a observação in loco do atendimento.

Certificação do Selo Chega Mais

Para Márcia Rollemberg, o selo é uma ação que traz inovação, agrega e sedimenta a política pública de saúde. “Quando a gente reconhece as boas práticas em saúde, quebramos a lógica de que os serviços de saúde não funcionam. Vemos aqui profissionais dedicados com seu trabalho e que provam que o sistema não é um grande caos”, afirmou.

A primeira-dama ainda lembrou que princípios como informação, educação e comunicação são fundamentais para manter a excelência do trabalho em um momento de grandes desafios para o país.

Segundo Marcos Quito, a ação é importante por reconhecer a expertise dos serviços e estimular o engajamento de outras unidades de saúde. “Percebemos que esses serviços de saúde do Distrito Federal se esforçam diariamente para estar cada vez mais qualificados. Temos muito o que fazer para ainda alcançar grandes resultados”, ressaltou o gestor.

Todo o processo durou três etapas, incluindo análise de admissibilidade e dos relatos das práticas de atendimento. Os critérios de avaliação envolveram desde o acesso livre de discriminação até a integração em diferentes frentes de atendimento, a educação permanente de profissionais e a participação social.

Antônio Carlos Filho reconheceu que a iniciativa Chega Mais abre as possibilidades de melhorar a rede pública. “Vemos ações que trabalham em várias instâncias, (como) por exemplo, com socioeducativo. Essa troca de experiências é fundamental para a capacitação e qualificação dos serviços.”

Sobre o selo

A certificação Chega Mais — Selo de Qualidade de Serviços para Adolescentes foi desenvolvida a partir de uma parceria entre o UNFPA e o Governo de Brasília, por meio de sua Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal e de sua Secretaria de Estado de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude do DF, em colaboração com a Escola de Aperfeiçoamento do SUS.

O projeto é também uma ação estratégica para o Criança Candanga, compromisso das autoridades do DF em garantir os direitos dos jovens desde a primeira infância até a adolescência.


Mais notícias de:

Comente

comentários