Fundo de População da ONU apresenta a campanha Ela Decide para ginecologistas e obstetras no RN

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Tem início na quinta-feira (9) a 31ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte. Evento reunirá especialistas para debater igualdade de gênero, depressão pós-parto, ginecologia na infância e adolescência e violência contra as mulheres. O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) apresentará no fórum a campanha Ela Decide, uma iniciativa em prol do empoderamento de jovens e mulheres.

Gestante. Foto: PEXELS

Gestante. Foto: PEXELS

Tem início na quinta-feira (9) a 31ª Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte. Evento reunirá especialistas para debater igualdade de gênero, depressão pós-parto, ginecologia na infância e adolescência e violência contra as mulheres. O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) apresentará no fórum a campanha Ela Decide, uma iniciativa em prol do empoderamento de jovens e mulheres.

Lançado em abril nas redes sociais, o projeto da agência da ONU divulga orientações sobre sexualidade e reprodução, promovendo decisões autônomas sobre o próprio corpo, relacionamentos e maternidade. “É importante sensibilizar profissionais da área médica para a promoção dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres e jovens”, afirma Anna Cunha, oficial de programa que representará o UNFPA na jornada, em Natal.

Na avaliação da especialista, é necessário ouvir as demandas da juventude e da população do sexo feminino para oferecer “informações e serviços qualificados, respeitando as escolhas, expectativas e necessidades que possam ter”.

Com atividades amanhã e na sexta-feira (10), o congresso no Rio Grande do Norte terá diálogos sobre os avanços da medicina, contracepção, reposição hormonal e doenças como endometriose e Síndrome dos Ovários Policísticos. O tema da jornada de 2018 é “Saúde da mulher em foco”.

O evento é promovido pela Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte (SOGORN) e terá a participação de representantes do Ministério da Saúde e da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO).


Mais notícias de:

Comente

comentários