Fundo da ONU destaca avanços em projeto de desenvolvimento do semiárido brasileiro

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Representantes da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (SEAD) receberam na quinta-feira (2) em Brasília (DF) oficiais do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas para revisão de meio termo do Projeto Dom Helder Câmara, que visa melhorar condições de vida de agricultores familiares do semiárido brasileiro.

O projeto cobre o semiárido de 11 estados (todos estados do nordeste, além de Minas Gerais e Espírito Santo) incluindo 913 municípios.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O secretário especial da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (SEAD), Jefferson Coriteac, recebeu em seu gabinete na quinta-feira (2) oficiais do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) das Nações Unidas para finalizar revisão de meio termo do Projeto Dom Helder Câmara, que visa melhorar condições de vida de agricultores familiares do semiárido brasileiro.

A previsão é de que o projeto seja finalizado em 2020. A missão do FIDA foi realizada entre 23 de julho e 2 de agosto e também incluiu os estados de Pernambuco e Ceará, com visitas a beneficiários do projeto e reuniões com parceiros.

A segunda fase da iniciativa teve início em 2014 e visa contribuir para o diálogo sobre políticas de redução da pobreza rural e das desigualdades de gênero, geração e etnia, com foco na Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para qualificar os sistemas produtivos locais, otimizando as políticas e programas públicos voltados para a produção sustentável na agricultura familiar.

Na nova fase, um diferencial tem sido o trabalho de ATER em três frentes, contando com as agências públicas estaduais de ATER, organizações do terceiro setor e empresas privadas. O projeto também foi expandido e agora cobre o semiárido de 11 estados (todos estados do nordeste, além de Minas Gerais e Espírito Santo) incluindo 913 municípios.

O oficial de programas do FIDA, Hardi Vieira, destacou os avanços da segunda fase da iniciativa. “O projeto foi reorientado pela equipe da SEAD em conjunto com o FIDA e agora conta com uma área maior de intervenção e ao mesmo tempo aperfeiçoou os seus instrumentos de ATER ao contar com uma amplitude maior de parceiros”.

Além disso, o projeto também tem sido um dos primeiros e principais parceiros da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (ANATER), responsável pela implementação da ATER em nível federal.

“Esperamos que o Projeto Dom Helder Câmara possa contribuir para a formação e consolidação das políticas da agricultura familiar com objetivo da redução da pobreza e extrema pobreza rural no semiárido”, declarou.

Hardi Vieira também destacou a liderança da SEAD no processo de reformulação do projeto, de modo que ele pudesse ser operacionalizado. O Projeto Dom Helder Câmara é referência para o FIDA no mundo. Segundo Hardi, a consolidação da parceria do FIDA com a SEAD permitirá garantir o sucesso da segunda fase da iniciativa para um público de 60 mil famílias beneficiadas.

O secretário especial da SEAD mencionou a importância da cooperação com o FIDA. “Com a implementação do projeto, outras possibilidades serão abertas de colaboração com o FIDA e outros parceiros”.


Mais notícias de:

Comente

comentários