Fórum da UNESCO discute papel da educação sobre o Holocausto na luta contra a intolerância

Evento realizado hoje (31) encerra atividades da UNESCO para o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

(CDJC/Coll. Klarsfeld)Hoje (31/1) a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) realizou em parceria com o Memorial Shoah um simpósio intitulado “Dimensões Internacionais da Educação do Holocausto”. O evento ocorreu na sede da Organização em Paris.

A UNESCO organizou várias iniciativas durante essa semana para promover os aprendizados universais do Holocausto, que podem ser conferidas clicando aqui.

Uma das iniciativas foi nomear, no dia 27 de janeiro, Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, Samuel Pisar como Enviado Especial da UNESCO para Educação do Holocausto, um sobrevivente do Holocausto nascido na Polônia, advogado e cidadão norte-americano a partir de 1961.

No seu cargo, Pisar buscará refletir seu compromisso com a ideia de que o Holocausto, atacado pro demagogos como um ‘mito’, é um alerta real para a Humanidade dos possíveis horrores que podem acontecer. “Como se revelou, através de outros genocídios e limpezas étnicas, a humanidade é capaz tanto do melhor como do pior, do amor e do ódio, da loucura e da genialidade, e assim o impensável continua possível. A menos que expusemos, pela memória e pela educação, os valores universais embutidos em todo grande credo, as forças da escuridão podem voltar a nos assombrar”, afirmou.

A Conferência foi seguida por uma cerimônia especial sobre o tema “Crianças no Holocausto”.