Fluxo de refugiados no Sudão do Sul deve aumentar em razão das chuvas na região, afirma ACNUR

Organizações humanitárias devem se preparar para receber até 30 mil novas pessoas em fuga da violência e da escassez de alimentos dos estados do Nilo Azul e de Kordofan do Sul.

Mulheres refugiadas do Nilo Azul no Sudão carregam suas bagagens no campo de refugiados Yusuf Batil durante uma tempestade no mês passado. Foto: ACNUR / B. SokolQuando as chuvas sazonais começarem a diminuir e a facilidade de viajar por terra aumentar, o Sudão do Sul deverá ter um aumento significativo de novos refugiados do Nilo Azul e de Kordofan do Sul.

Segundo o Diretor Regional do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR) para a África, George Okoth-Obbo, o número de recém-chegados já está subindo e pode chegar a 30 mil até o final do ano. Em uma coletiva de imprensa em Juba, Okoth-Obbo instigou organizações humanitárias a planejar recepcionar um número maior de refugiados nos próximos meses.

Muitos refugiados têm fugido da violência e da escassez alimentar dos estados do Nilo Azul e de Kordofan do Sul, onde agências humanitárias internacionais têm tido acesso limitado ou nenhum acesso nos últimos meses. Mais de 170 mil buscaram proteção no Sudão do Sul desde junho de 2011.

Os desafios logísticos no Sudão do Sul estão entre os mais difíceis do mundo. Como muitas estradas deverão permanecer inundadas e intransitáveis até o final do ano, agências humanitárias como o ACNUR e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) deverão fazer o transporte de suprimentos e funcionários por via aérea, uma tarefa cara e complexa.