Filipinas: 4 meses após tufão, FAO implementa projetos de longo prazo para pescadores e agricultores

Ainda existem milhares de filipinos precisando de ajuda. Foto: OCHA/Jennifer Bose

Os resultados positivos do programa de resposta para as Filipinas da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) implementados após o tufão Hayian, proporcionaram as ferramentas necessárias para a criação de programas em longo prazo de apoio a agricultura e as comunidades de pesca filipinas.

Quatro meses após o tufão que matou mais de 6 mil pessoas e deixou milhões deslocadas, o diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, o secretário da agricultura filipino, Proceso Alcala, e o representante permanente da FAO nas Filipinas, Virgilio Reyes, distribuíram pessoalmente sacos de adubo e ferramentas para os agricultores e pescadores afetados.
“Estamos empenhados em garantir que as populações afetadas possam construir resiliência a desastres futuros para ter certeza que, quando o próximo tufão atingir, serão capazes de reconstruir seu país de uma forma melhor e com mais segurança”, declarou Graziano da Silva.
Graças às doações dos Governos da Bélgica, Irlanda, Itália, Noruega e Suíça, a FAO mobilizou 11,7 milhões dólares como parte do Plano de Resposta Estratégica da ONU, o que representa 31% dos 38 milhões de dólares solicitados. Além disso, os doadores prometerem fundos de mais de 30 milhões de dólares. Com esses recursos a FAO vai apoiar, em longo prazo, 138 mil famílias que dependem da pesca e da agricultura e que mais sofreram com o tufão.