FAO: situação de emprego entre jovens rurais latino-americanos melhora, mas desafios permanecem

Houve melhora na qualidade do emprego para os jovens de comunidades rurais da América Latina nas últimas décadas, porém a situação continua preocupante, com empregos precários, salários menores e carga horária excessiva, segundo estudo divulgado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Trabalhadores agrícolas colhem cenouras em uma fazenda em Chimaltenango, Guatemala. Foto: Banco Mundial/Maria Fleischmann

Trabalhadores agrícolas colhem cenouras em uma fazenda em Chimaltenango, Guatemala. Foto: Banco Mundial/Maria Fleischmann

Houve melhora na qualidade do emprego para os jovens de comunidades rurais da América Latina nas últimas décadas, porém, desafios permanecem, como trabalhos precários, salários baixos e carga horária excessiva, segundo estudo divulgado este mês pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

De acordo com a pesquisa “Juventude rural e emprego decente na América Latina”, a tendência de melhora ocorreu pela importante diminuição do emprego infantil na região, uma queda de 20% na última década dos jovens rurais ocupados no setor agrícola e um aumento semelhante dos ocupados no emprego rural não agrícola.

“Graças ao aumento do emprego assalariado formal, atualmente existe um setor de jovens que tem maior cobertura social, maior renda e em geral melhores condições de trabalho que a grande massa da população rural”, disse a FAO.

Apesar dessa relativa melhoria, ainda menos da metade dos jovens tem um trabalho decente quando considerada a renda, e a maior parte sofre com carga horária excessiva.

Segundo o estudo, a grande massa dos jovens rurais trabalha em piores condições que os adultos, os trabalhos apresentam mais riscos, são mais precários, recebem salário menor e têm menos acesso à seguridade social.

“Os dados mostram que em muitos países da América Latina o trabalho decente ainda está muito longe para uma grande maioria da população jovem rural”, disse Martin Dirven, responsável pelo estudo.

Quem são os jovens que trabalham

Atualmente, quase 40 milhões de jovens entre 15 e 29 anos moram em áreas rurais nos 20 países da América Latina. Desse total, a maior parte — 11,9 milhões — é inativa, cerca de 9,6 milhões trabalham no setor agrícola e 8,2 milhões exercem atividades não agrícolas.

De acordo com o estudo, entre os jovens inativos, a maior parte é mulher. Nas áreas rurais há uma proporção significativa de jovens que não estudam e não trabalham, o que enfraquece a trajetória laboral e o acesso à seguridade social. Os jovens representam 58,1% dos inativos rurais, o que equivale a aproximadamente 6,7 milhões de jovens na região.

Dos que trabalham na agricultura, a maior parte é homem e assalariada. A proporção entre homens e mulheres jovens que trabalham em atividades não agrícolas é mais semelhante, enquanto no emprego não agrícola a maior parte dos jovens também é assalariada.

Estima-se que somente 25% da população rural ocupada tenha acesso à seguridade social, e entre jovens a sindicalização costuma ser mais baixa que entre adultos.

Atores do desenvolvimento e não pobres vulneráveis

Grande parte das políticas públicas da América Latina trata os jovens rurais e indígenas como grupos vulneráveis em vez de enxergá-los como potenciais atores de desenvolvimento em suas comunidades.

“Vê-los como pobres e vulneráveis produz danos em sua autopercepção, baixa valorização de riquezas e círculos viciosos”, apontou Dirven.

Segundo a FAO, quando há um entorno favorável e de apoio, muitos jovens encontram caminhos inovadores para criar um futuro para eles mesmos e contribuir para suas comunidades e sociedades.

O estudo da FAO indicou ser urgente avançar na tomada de decisões compartilhadas e co-executadas.

Aumento do emprego não agrícola

“A agricultura segue como a principal fonte de renda para a juventude rural na América Latina e Caribe, mas isso está mudando rapidamente”, afirmou Martin Dirven.

O emprego rural não agrícola está se tornando cada vez mais importante. Segundo o estudo da FAO, em 2016 deverá haver mais jovens rurais trabalhando nesse tipo de emprego que no setor agrícola.

A queda no emprego agrícola se explica pela forte baixa (de um terço) daqueles que trabalham como “familiares não remunerados” e de uma redução de 20% no número de assalariados agrícolas.

A porcentagem de assalariados rurais não agrícolas com contrato tende a duplicar ao dos assalariados agrícolas com contrato, com diferenças importantes entre os países. Isso é importante na medida em que vários critérios do “emprego decente” tem uma maior probabilidade de serem cumpridos quando se tem um contrato formal.

Emprego infantil reduz na região

Na América Latina, do total de 38,4 milhões de crianças rurais menores de 15 anos, mais de 2,1 milhões trabalham em alguma atividade econômica.

Essas crianças rurais, junto com as mais de 200 mil crianças com residência urbana que trabalham no setor agrícola, representam mais de 60% do total de crianças “ocupadas” na região.

Uma parte importante do trabalho infantil é invisível porque a maioria das crianças é trabalhadora doméstica, sobretudo as meninas, ou trabalhadora familiar não remunerada em pequenas propriedades rurais, agrícolas ou de outros setores econômicos. Outras trabalham em grandes empresas ou em atividades ilícitas.

Segundo a FAO, apesar da tendência ter sido de redução importante nos últimos anos, erradicar o trabalho infantil ainda é um desafio pendente para a América Latina.