FAO protege os meios de subsistência sustentáveis, preservando a Amazônia

A Amazônia abriga a maior área de floresta tropical remanescente em nosso planeta. Com quase o dobro do tamanho da Índia, essas florestas desempenham um papel vital na regulação do clima global e na prestação de outros serviços, como a purificação da água e a absorção de carbono.

Mais de 33 milhões de pessoas vivem na Amazônia e cerca de 420 comunidades indígenas dependem diretamente de seus recursos para cobrir suas necessidades de água e alimentos, bem como para sua subsistência. Esses meios e estilos de vida estão intrinsecamente relacionados à preservação das florestas e à conservação de sua biodiversidade. A Amazônia abriga mais da metade das espécies terrestres de animais, plantas e insetos.

O projeto de Integração de Áreas Protegidas da Amazônia (IAPA), liderado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), apoia a comunidade de gerentes de parques na América Latina e Caribe de áreas protegidas da Amazônia (RedParques) e garante supervisão eficaz e colaboração entre estas áreas.

Vista aérea da Amazônia. Foto: Banco Mundial

Vista aérea da Amazônia. Foto: Banco Mundial

A Amazônia abriga a maior área de floresta tropical remanescente em nosso planeta. Com quase o dobro do tamanho da Índia, essas florestas desempenham um papel vital na regulação do clima global e na prestação de outros serviços, como a purificação da água e a absorção de carbono.

Mais de 33 milhões de pessoas vivem na Amazônia e cerca de 420 comunidades indígenas dependem diretamente de seus recursos para cobrir suas necessidades de água e alimentos, bem como para sua subsistência. Esses meios e estilos de vida estão intrinsecamente relacionados à preservação das florestas e à conservação de sua biodiversidade. A Amazônia abriga mais da metade das espécies terrestres de animais, plantas e insetos.

O projeto de Integração de Áreas Protegidas da Amazônia (IAPA), liderado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), apoia a comunidade de gerentes de parques na América Latina e Caribe de áreas protegidas da Amazônia (RedParques) e garante supervisão eficaz e colaboração entre estas áreas. Ao fortalecer o processo de governança, o projeto da SIP ajuda a proteger as comunidades locais e indígenas e seus meios de subsistência, preservando a biodiversidade do bioma da Amazônia e apoiando o manejo de um dos ecossistemas mais importantes do mundo.

Há séculos a Amazônia abriga milhões de pessoas que construíram suas comunidades na natureza. Eles desenvolveram métodos para cultivar e viver em harmonia com a terra. A mudança climática ameaça não apenas os recursos naturais da Amazônia, mas também as vidas e meios de subsistência das pessoas que consideram sua terra natal.

Jorge Job Trigoso é um membro da comunidade de Villa Florida, uma das dez comunidades e aproximadamente 306 famílias que trabalham na gestão da castanha-do-brasil na Reserva Nacional de Vida Selvagem de Manuripi, na Bolívia. A poucos quilômetros de distância, Omar Masx mora na comunidade de Curichón e também se beneficiou da produção sustentável de açaí e castanha do Brasil. Ambos têm uma qualidade em comum: são os guardiões da floresta.

“Aqui não cortamos as plantas, essa é uma área protegida onde não devemos cortar árvores ou lenha, entendemos onde vivemos”, diz Trigoso, apontando as extensas florestas que cercam sua casa.

Na fronteira da Bolívia, Brasil e Peru, a reserva de Manuripi cobre 747 mil hectares e é uma das áreas com maior diversidade de vida selvagem na Bolívia. Também possui os rios Madre de Dios e Manuripi, dois dos mais importantes da bacia amazônica.

As áreas protegidas, como Manuripi, são consideradas uma das melhores maneiras de conservar a biodiversidade e ajudar a lidar com a mudança climática naturalmente, à medida que as florestas reduzem os gases de efeito estufa. As áreas protegidas preservam os ecossistemas, mantendo os valores culturais de seus habitantes e promovendo suas formas tradicionais de manejo dos recursos naturais.

Uma visão para a preservação da Amazônia

Com a RedParques como principal parceira de implementação, a FAO, juntamente com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), a ONU Meio Ambiente, o WWF e a União Europeia, desenvolveram o projeto de Integração de Áreas Protegidas da Amazônia (IAPA). Este projeto envolve os oito países (Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela) mais o território da Guiana Francesa, que compõe o bioma Amazônia.

O projeto da SIP incentiva a supervisão eficaz e colaborativa de áreas protegidas na Amazônia. Isso ajuda a minimizar os impactos da mudança climática no bioma Amazônia e aumenta a resiliência da subsistência das pessoas às mudanças ambientais. Ao garantir uma abordagem regional e transfronteiriça à Amazônia, o projeto protege melhor sua biodiversidade e protege as comunidades e as economias locais que dependem dela como fonte de alimento e subsistência.

“Nós somos os que devem cuidar da floresta. Por exemplo, costumávamos cortar o açaí para obter seus frutos. Nós não fazemos mais isso, nós escalamos a árvore para coletá-los. Precisamos cuidar das árvores porque vivemos delas”, diz Omar.

Em Manuripi, a economia dependeu principalmente de recursos florestais, principalmente açaí e castanha do Pará. Hoje, a população de Manuripi também está se aventurando na produção sustentável de açaí. O manejo sustentável do açaí e castanha do Brasil tornou-se um modelo para as comunidades amazônicas. A castanha-do-pará, por exemplo, conseguiu até ser certificada internacionalmente como um produto de qualidade.

A Paisagem do Sul é uma das duas áreas de ação prioritárias para o projeto da SIP. É constituído pela Reserva Nacional de Vida Selvagem de Manuripi (Bolívia), o Parque Estadual Chandless e a Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema (Brasil), o Parque Natural Alto Purús e a Reserva Comunal de Purús (Peru).

O que estamos protegendo

Para Jorge, Omar e as comunidades da Amazônia, tornar os meios de subsistência sustentáveis ​​e proteger seus recursos são aspectos cruciais para a sobrevivência.

Não importa onde vivamos no planeta, a Amazônia nos beneficia de muitas maneiras: remove o dióxido de carbono do ar e purifica nossa água. Esses são serviços que tomamos como garantidos, mas sem os quais nosso mundo mudaria. O que acontece na Amazônia afeta a todos nós.

“A Amazônia é o pulmão do mundo; É uma parte muito importante devido a todos os serviços que oferece aos diferentes países do mundo”, enfatiza Andrea Barrero, Oficial dos Parques Nacionais da Colômbia.

Proteção Coordenada

Comunidades como Jorge e Omar estão aprendendo sobre o uso responsável dos recursos amazônicos. Ao trabalhar com instituições nas áreas protegidas do Brasil e do Peru, essas comunidades aprendem umas com as outras e adotam as melhores práticas para a preservação dessas áreas. Esta aprendizagem e troca de ideias e experiências enriqueceu o projeto da SIP.

Por meio de treinamentos conjuntos e oficinas que ajudam a coordenar os planos de ação e as experiências dos vários países do bioma amazônico, o projeto oferece uma perspectiva mais ampla para os países amazônicos trabalharem juntos e pensar além das fronteiras.

Entre 2011 e 2015, a região designou 44 novas áreas protegidas. O projeto da SIP garante que essas áreas sejam devidamente coordenadas e gerenciadas com uma abordagem regional. Até hoje, mais de 170 milhões de hectares da região amazônica estão protegidos e a visão amazônica busca explorar novas prioridades de conservação para o benefício das populações locais.