FAO prepara comunidade indígena na Guiana para lidar com mudanças climáticas

Paruima, uma aldeia indígena na região Cuyuni-Mazaruni da Guiana, é a mais nova beneficiária de um programa da FAO para tornar a produção agrícola local mais resiliente ao clima. A agência da ONU instalou uma unidade de sombreamento, que protege algumas culturas do sol, e um banco de sementes de mandioca, além de promover treinamento para os moradores.

Treinamento da FAO em Paruima ensinou técnicas para lidar com desafios climáticos. Foto: FAO
Treinamento da FAO em Paruima ensinou técnicas para lidar com desafios climáticos. Foto: FAO

Paruima, uma aldeia indígena na região Cuyuni-Mazaruni da Guiana, é a mais nova beneficiária de um programa da FAO para tornar a produção agrícola local mais resiliente ao clima. A agência da ONU instalou uma unidade de sombreamento, que protege algumas culturas do sol, e um banco de sementes de mandioca, além de promover treinamento para os moradores.

A maior parte da comunidade está situada num vale e enfrenta enchentes de tempos em tempos. Apesar disso, o solo de Paruima é extremamente fértil, o que permite aos habitantes explorar o tubérculo como sua principal fonte de alimento e renda.

Por meio do Projeto de Redução de Risco de Desastre, o escritório da FAO na Guiana capacitou recentemente mais de 50 aldeões agricultores ao longo de dois dias de treinamento. Os participantes aprenderam técnicas de construção de unidades de sombreamento, além de receberem informações sobre as características dos tipos de solo e sobre a gestão das lavouras. Os moradores tiveram ainda aulas práticas sobre como utilizar o banco de sementes.

A iniciativa chegou à aldeia por solicitação do Grupo de Agricultura das Mulheres de Paruima, durante a fase de mapeamento da iniciativa da ONU. O organismo da comunidade reúne mulheres agricultoras, donas de casa e moradoras que ajudam a manter o programa local de alimentação escolar. Nos colégios de Paruima, quase 200 estudantes do ensino fundamental I recebem café da manhã e almoço diariamente.

Banco de sementes e unidade de sombreamento

O banco de sementes é uma técnica utilizada para criar um repositório de diferentes materiais de cultivo em caso de perdas causadas por desastres naturais. Atualmente, a aldeia vive uma situação delicada: quando as chuvas param, as cheias perduram e há escassez de insumos de plantio para a próxima safra.

Com o depósito de sementes, o objetivo da FAO é garantir que não faltem os recursos necessários para a cultura da mandioca, o principal sustento da comunidade.

A instalação de sombreamento será usada por um grupo de mulheres para culturas comerciais, além de permitir que o programa de alimentação escolar tenha alimentos frescos e saudáveis.

Os participantes do treinamento da FAO também puderam conversar com especialistas sobre outros desafios da produção agrícola de Paruima, como o controle de pestes, problemas de drenagem e irrigação dos solos na hora de mitigar as enchentes e soluções técnicas para períodos de seca prolongada.

Conscientização desde a escola

Mais de 220 alunos das escolas de ensino fundamental e médio de Paruima também se reuniram com equipes do projeto para conhecer o trabalho da FAO na área de segurança alimentar e mudança climática. Os estudantes mostraram interesse nas técnicas inteligentes de agricultura para o clima. Os jovens acreditam que as estratégias podem contornar os impactos das variações de padrões hídricos sobre os agricultores.

A agência da ONU continua a oferecer oportunidades de capacitação para grupos de pequenos produtores e comunidades rurais, com o apoio do Ministério da Agricultura da Guiana. O organismo internacional visa a ações urgentes para enfrentar as mudanças climáticas e suas consequências.