FAO: Preço dos alimentos é o mais alto em 10 meses

Segundo agência da ONU, preço médio dos alimentos é o maior desde maio de 2013. Condições climáticas desfavoráveis nos EUA e Brasil e tensões geopolíticas na região da Crimeia tiveram influência.

Rio Atibaia, em São Paulo, tem baixa captação de água devido à falta de chuva. Foto: Carlos Bassan/Prefeitura de Campinas

Rio Atibaia, em São Paulo, tem baixa captação de água devido à falta de chuva. Foto: Carlos Bassan/Prefeitura de Campinas

De acordos com dados divulgados nesta quinta-feira (4) pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), o preço médio mundial dos alimentos disparou em março, alcançando a máxima dos últimos 10 meses.

Com base em seu Índice de Preço de Alimentos, que calcula a variação mensal dos preços de 55 commodities alimentícias – como trigo, açúcar e cereais –, o mês de março presenciou um aumento de 2,3% nos preços, atingindo 212,8 pontos na escala do índice – a maior marca desde meados de 2013. Dos itens analisados, apenas o leite ficou mais barato (decréscimo de 2,5%).

De acordo com Abdolreza Abbassian, economista da FAO, os preços “foram influenciados, como se previa, pelas condições climáticas desfavoráveis nos EUA e Brasil e pelas tensões geopolíticas na região da Crimeia”.

O maior aumento foi registrado com o açúcar – 7,9%, para uma escala de 253,9 pontos no índice. O relatório cita Brasil e Tailândia como principais motivos de preocupação, devido a secas que prejudicaram a produção de cana-de-açúcar e aos efeitos do fenômeno ‘El Niño’.