FAO: Preço de alimentos continua a cair, impulsionado por desvalorização do petróleo e abundância de alimentos

O índice vem apresentando quedas desde abril de 2014. A redução dos preços é beneficiada pela boa safra de grãos, com estoques para utilização que alcançarão o maior nível em mais de uma década.

Colheita de trigo perto da cidade de Tammun na Cisjordânia. Foto: FAO/Marco Longari

Colheita de trigo perto da cidade de Tammun na Cisjordânia. Foto: FAO/Marco Longari

O preço dos alimentos em todo o mundo continuou a cair, ajudado pela desvalorização do euro e o preço baixo do petróleo bruto, divulgou nesta quinta-feira (5) a Organização da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO) através do seu Índice de Preço de Alimentos mensal.

O índice monitora os preços globais dos grãos, carne, produtos derivados do leite, óleos vegetais e açúcar, alcançando 182,7 pontos em janeiro, uma queda de 1,9% comparado ao registrado em dezembro.

No total, o índice vem registrando queda desde abril de 2014. A abundância da reserva de trigo e de óleo de soja, bem como de carne de porco, contribuíram para o declínio dos preços dos alimentos.

Está previsto que o estoque de grãos em 2015 alcance 623 toneladas, 8% a mais que no último ano, já que a produção de trigo e milho deve subir. Os inventários de arroz, no entanto, devem cair em torno de 4 toneladas em 2015, com uma notável redução na Índia, Indonésia e Tailândia.

A FAO destacou que o estoque para utilização de grãos para 2014 e 2015 deve aumentar em 25% – o maior nível em mais de uma década e muito acima do mínimo registrado no biênio 2007-2008, de 18.4%, quando os mercados passaram por um período de volatilidade.