FAO lista cinco maneiras de reduzir nossa dependência do plástico

O plástico é tão comum em nossas vidas que nem percebemos mais — é conveniente, barato e onipresente. A infeliz verdade é que mais de 70% do plástico que usamos não é reciclado e grande parte desse lixo é arrastado de nossas praias para os oceanos ou é levado das ruas para os rios. Estima-se que, atualmente, 5 trilhões de unidades de plástico flutuem em nossos oceanos.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) listou cinco maneiras de reduzir o uso de plásticos no dia a dia.

Lixo plástico ao longo da costa de Cingapura. Foto: Flickr (CC)/vaidehi shah

Lixo plástico ao longo da costa de Cingapura. Foto: Flickr (CC)/vaidehi shah

O plástico é tão comum em nossas vidas que nem percebemos mais — é conveniente, barato e onipresente. A infeliz verdade é que mais de 70% do plástico que usamos não é reciclado e grande parte desse lixo é arrastado de nossas praias para os oceanos ou é levado das ruas para os rios. Estima-se que, atualmente, 5 trilhões de unidades de plástico flutuem em nossos oceanos.

A maioria dos plásticos tem dimensões visíveis, mas há outro tipo se infiltrando em nossos ecossistemas, o que pode facilmente passar despercebido. Trata-se dos microplásticos, ou pequenas partículas e fibras de plástico geralmente medindo menos de cinco milímetros.

Originalmente, os microplásticos resultavam da quebra física de plásticos maiores, como sacolas plásticas, embalagens de alimentos ou cordas. No entanto, mais recentemente, houve um aumento na fabricação de microplásticos, como pós e abrasivos domésticos ou industriais. Este fenômeno expandiu a ocorrência de plásticos em nossos ambientes e em nossos mares.

Os microplásticos já foram encontrados em vários tipos de alimentos humanos (por exemplo, cerveja, mel e sal de mesa). No entanto, a maioria dos estudos científicos examinou microplásticos em frutos do mar. Embora os filés de peixe e os peixes grandes sejam dois dos principais produtos de pesca consumidos, eles não são uma fonte significativa de microplásticos porque o intestino, onde a maioria dos microplásticos é encontrada, não é normalmente consumido.

Espécies de peixes pequenos, crustáceos e moluscos, por outro lado, são frequentemente comidos inteiros. Estas são áreas potenciais de preocupação quando se fala de nossa exposição alimentar a microplásticos e substâncias químicas associadas. Até agora, as implicações para a saúde dos microplásticos em humanos parecem insignificantes. No entanto, mais pesquisas precisam ser feitas.

Independentemente das descobertas, já sabemos que nosso uso de plástico está aumentando e que está prejudicando nossa vida marinha. Golfinhos e baleias estão sendo apanhados em redes de plástico descartadas; As tartarugas estão comendo sacos de plástico e morrendo de bloqueios dentro de seus sistemas digestivos. Animais marinhos estão perecendo em nosso lixo. Mas podemos virar a maré sobre o uso de plástico.

1. Evite plásticos de uso único

Noventa por cento do plástico que usamos em nossas vidas diárias é descartável ou de uso único: sacolas de compras, envoltório de plástico, sacos com zíper, tampas de xícara de café. Os plásticos de uso único são particularmente prejudiciais, considerando que um único saco plástico pode levar 1 mil anos para se degradar.

Esses plásticos também podem se degradar em microplásticos, pedaços menores que são frequentemente confundidos como alimento por mamíferos, aves ou peixes. Simplesmente perceber a prevalência de plástico em nossas vidas é o primeiro passo para substituir plásticos de uso único com opções reutilizáveis: sacos de pano, recipientes de armazenamento de vidro, talheres, canecas de cerâmica.

2. Reconhecer microplásticos disfarçados

Muitos cosméticos e produtos de beleza contêm “esfoliantes” que são, na verdade, pequenas contas de plástico. Esses microplásticos podem parecer inofensivos, mas é precisamente por causa de seu tamanho que eles podem deslizar pelas estações de tratamento de água e acabar no oceano, onde os peixes muitas vezes os confundem com comida. Experimente esfoliantes naturais, como aveia ou sal, em vez disso.

3. Leve uma garrafa de água reutilizável

Garrafas descartáveis ​​de água e refrigerante são alguns dos maiores culpados pelos resíduos plásticos. Mais de 480 bilhões de garrafas plásticas foram vendidas em todo o mundo em 2016. Se colocadas de ponta a ponta, estender-se-iam mais da metade do caminho até o sol! Beba em garrafas reutilizáveis. Em lugares onde a água é segura para beber, você pode facilmente encher sua garrafa.

4. Diga não a talheres de plástico, canudos, retire recipientes

Às vezes nos é dado plástico sem sequer pedirmos por isso. Recuse a oferta por canudo. Peça aos restaurantes para embalar sua comida em menos recipientes para levar. Diga-lhes que não precisa de talheres de plástico e use os seus próprios talheres reutilizáveis.

5. Reciclar

Isso pode parecer óbvio, mas a maioria dos plásticos que usamos não é reciclada. Onde a opção existir, assegure-se de que o plástico que você usa seja reciclado, mas lembre-se, é mais fácil prevenir o desperdício do que gerenciá-lo.

Promover a sustentabilidade dos oceanos, rios, pesca e práticas de piscicultura é uma prioridade para a FAO. Estima-se que 10% a 12% da população mundial dependa da pesca e da aquicultura para sua subsistência.

O consumo de peixe per capita subiu de 10 quilos nos anos 1960 para mais de 20 quilos em 2016, o que significa que a demanda por frutos do mar está aumentando, mesmo que os recursos sejam cada vez mais ameaçados. A conveniência do plástico realmente vale o futuro dos oceanos e da vida marinha? Vamos proteger nossos lagos, rios e oceanos da poluição e seus impactos na vida aquática.

Há tantos fatores, como a redução do plástico, que contribuem para um futuro seguro para os alimentos. Todos nós dependemos de alimentos seguros, saudáveis e nutritivos, e o peixe é um componente importante de dietas saudáveis e segurança alimentar em todo o mundo. A boa notícia é que nossas ações fazem a diferença. Todos nós podemos ajudar a criar um mundo #FomeZero até 2030.


Comente

comentários