FAO facilita acesso de agricultores africanos à mecanização sustentável

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Rede Africana de Conservação (ACT) assinaram na quinta-feira (7) um memorando de entendimento para incentivar maior acesso dos pequenos agricultores africanos à mecanização sustentável das propriedades, como tratores e outras máquinas que podem melhorar a vida do trabalhador rural.

A parceria também procura vincular o uso de máquinas agrícolas à agricultura de conservação, que é um sistema de cultivo que promove o mínimo de perturbação do solo e o plantio de espécies vegetais complementares para melhorar a biodiversidade e os processos biológicos naturais.

Betty Ndugga é uma empreendedora do distrito de Luwero, em Uganda. Foto: FAO

Betty Ndugga é uma empreendedora do distrito de Luwero, em Uganda. Foto: FAO

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Rede Africana de Conservação (ACT) assinaram na quinta-feira (7) um memorando de entendimento para incentivar maior acesso dos pequenos agricultores africanos à mecanização sustentável das propriedades, como tratores e outras máquinas que podem melhorar a vida do trabalhador rural.

A parceria também procura vincular o uso de máquinas agrícolas à agricultura de conservação, que é um sistema de cultivo que promove o mínimo de perturbação do solo e o plantio de espécies vegetais complementares para melhorar a biodiversidade e os processos biológicos naturais.

Na África, pequenos agricultores usam sua própria força muscular, como enxadas manuais, em cerca de 65% da mão de obra total necessária para o preparo da terra. Já 25% da força vêm da tração animal e 10% de máquinas movidas a motor. No Sul da Ásia, em comparação, a força muscular humana é usada para 30% do trabalho de preparação da terra, enquanto a potência do motor representa 40%, e na América Latina e Caribe, 50%.

“Este acordo é uma parte importante do trabalho da ACT e da FAO para a adoção da mecanização agrícola sustentável em toda a África, que tem o potencial de transformar as vidas e os meios de subsistência de milhões de pequenos agricultores”, afirmou Saidi Mkomwa, secretário-executivo da Rede Africana de Conservação da Agricultura (ACT).

“Uma das maneiras pelas quais podemos alcançar a produção agrícola sustentável na África é através da adoção da agricultura de conservação e mecanização mais apropriada”, disse o diretor-geral adjunto da FAO, Bukar Tijani, que dirige o Departamento de Agricultura e Defesa do Consumidor da FAO.

“Esta parceria para a África será uma plataforma para reunir as partes interessadas do setor privado, grupos de agricultores, sociedade civil, ministérios da agricultura e além, para alcançar nossa visão de um mundo de fome zero”, acrescentou.

Vinculando mecanização à agricultura sustentável

A mecanização em toda a cadeia de valor dos alimentos — da produção e colheita ao manuseio, processamento e transporte – alivia o trabalho penoso, aumenta a produtividade agrícola, aumenta a renda e fornece novos empregos, como serviços de mecanização e reparos. A mecanização sustentável também pode conservar os recursos naturais e permitir que os sistemas agrícolas sejam mais resilientes às mudanças climáticas.

A União Africana comprometeu-se a banir o trabalho com enxada até 2025. No ano passado, a FAO e a UA produziram a “Mecanização Agrícola Sustentável: Um Quadro para a África (SAMA)”, e o acordo de hoje com a rede ACT contribuirá para implementar esse quadro.

A colaboração também visa promover a partilha de conhecimento e apoiar um maior diálogo político sobre a mecanização agrícola sustentável e a agricultura de conservação.

A rede ACT foi estabelecida em 2006 e é uma organização internacional pan-africana sem fins lucrativos dedicada a melhorar os meios de subsistência na África através de agricultura sustentável, agroecologia e gestão de ecossistemas.


Comente

comentários