FAO e parceiros criam no Brasil rede global para segurança alimentar de países em desenvolvimento

Rede lançada pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e parceiros contará com pesquisadores e representantes de governos para promover a segurança alimentar nos países em desenvolvimento e reforçar o compromisso global com a nutrição.

Criança adquire refeição em campo do Programa Mundial de Alimentos, na Região das Nações, Nacionalidades e Povos do Sul (SNNPRS), na Etiópia. Foto: PMA / Silvanus Okumu

Crianças comem em campo do Programa Mundial de Alimentos, na Região das Nações, Nacionalidades e Povos do Sul (SNNPRS), na Etiópia. Foto: PMA / Silvanus Okumu

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e parceiros criaram esta semana em Manaus (AM) uma rede internacional de pesquisadores, representantes de governos e organizações para promover a segurança alimentar em países em desenvolvimento e reforçar o compromisso global com a nutrição.

A rede foi lançada em 12 e 13 de abril durante evento sobre segurança alimentar e nutricional que reuniu pesquisadores de África, América do Sul, América do Norte, Ásia, Oriente Médio e Europa no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

A Rede Global de Institutos de Pesquisa, Ensino e Extensão em Segurança Alimentar e Nutricional tem como objetivo desenvolver ações voltadas para a agricultura familiar e a soberania alimentar em países em desenvolvimento.

A expectativa é que a rede estimule o compartilhamento e a disseminação do conhecimento científico, técnico e tecnológico em segurança alimentar e nutricional e as políticas públicas desenvolvidas em diversos países.

Durante o encontro de lançamento, o coordenador-geral de Ações Humanitárias e Combate à Fome do Ministério das Relações Exteriores, Milton Rondó, explicou que a rede atende ao direito à informação científica e empírica sobre segurança alimentar e nutricional.

O vice-diretor do Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Peter Rodrigues, abordou a importância da cooperação entre países para que o mundo alcance o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 2, que trata do combate à fome e à desnutrição.

“O mundo produz comida suficiente para alimentar toda a população, o que falta é termos nutrição adequada para todos”, afirmou Rodrigues. “O Centro de Excelência conseguiu compartilhar as melhores práticas brasileiras na área de segurança alimentar e nutricional com 38 países em quatro anos. Este grupo de pesquisadores pode certamente alcançar mais de 200 países no mundo”, completou.

No primeiro dia do evento, os pesquisadores apresentaram experiências na construção de redes em diversas regiões e um mapeamento de demandas temáticas, políticas públicas e mecanismos de difusão e transferência do conhecimento em segurança alimentar e nutricional.

No segundo dia, os participantes discutiram mecanismos de organização e interação das redes nacionais, regionais e global e a Carta de Compromissos de Manaus, que guiará os trabalhos da rede.

O evento foi organizado por Ministério das Relações Exteriores (MRE), Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (Secis), Inpa e Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (Unesp), além da FAO.

A rede fez parte da iniciativa Nutrição para o Crescimento, lançada em 2013, no Reino Unido, como resultado de processo de engajamento político iniciado nas Olimpíadas de Londres em 2012 e que prossegue durante as Olimpíadas do Rio.