FAO consegue financiamento de fundo climático para projeto no Paraguai

Com uma verba de 90 milhões de dólares, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) implementará uma iniciativa no Paraguai para reduzir a pobreza no meio rural e recuperar florestas do país. O objetivo é diminuir a perda de cobertura vegetal e melhorar a qualidade de vida de 17 mil famílias que estão em situação de vulnerabilidade por causa do desmatamento e das transformações do clima.

Zona rural do Paraguai. Imagem de concurso de fotografia organizado pelo governo da Argentina sobre paisagens agrícolas paraguaias. Foto: Ministério da Cultura da Argentina

Zona rural do Paraguai. Imagem de concurso de fotografia organizado pelo governo da Argentina sobre paisagens agrícolas paraguaias. Foto: Ministério da Cultura da Argentina

Pela primeira vez, um projeto da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) será financiado pelo Fundo Verde para o Clima, principal mecanismo financeiro da ONU para patrocinar iniciativas de combate e adaptação às mudanças climáticas. Com uma verba de 90 milhões de dólares, a agência implementará uma iniciativa no Paraguai para reduzir a pobreza no meio rural e recuperar florestas do país.

O programa Pobreza, Reflorestamento, Energia e Mudança Climática, também conhecido pela sigla PROEZA, apoiará a transição do Paraguai para modelos sustentáveis de gestão florestal. O objetivo é diminuir a perda de cobertura vegetal e melhorar a qualidade de vida de 17 mil famílias que estão em situação de vulnerabilidade por causa do desmatamento e das transformações do clima.

Os beneficiários vivem em 64 distritos municipais, distribuídos por oito departamentos paraguaios. Muitos deles vêm de comunidades indígenas.

Do orçamento total, 25 milhões de dólares serão doados pelo Fundo Verde e outros 65,2 milhões serão injetados no programa em cofinanciamento com o governo do Paraguai. A aprovação do Fundo foi anunciada em meio à 19ª reunião da junta responsável pela gestão do mecanismo financeiro. Encontro teve início na terça-feira (27) e se encerra na próxima sexta (2).

“O PROEZA é um claro exemplo de projeto inovador, necessário para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e os compromissos do Acordo de Paris. Não podemos alcançar a Fome Zero sem criar meios de vida resilientes, com segurança alimentar”, afirmou o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

O projeto dará apoio técnico e incentivos para a adoção de práticas agroflorestais responsáveis. Outras medidas incluem a melhoria da gestão da terra e do uso de biomassa por famílias rurais. Segundo a FAO, o foco da iniciativa é o uso de estratégias de proteção social do governo para garantir tanto a produção de alimentos pelas famílias pobres, quanto a utilização de métodos agrícolas com emissões baixas e resilientes às mudanças climáticas.

O PROEZA é parte do esforço do Paraguai para cumprir suas Contribuições Nacionalmente Determinadas, um conjunto de metas assumidas pelo país junto ao Acordo de Paris. A nível global, a agricultura é o segundo setor que mais contribui com as emissões de gases do efeito estufa.