FAO, Brasil e governos de América Latina e Caribe compartilham práticas de alimentação escolar

Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) do Brasil tornou-se referência na América Latina e Caribe. Foto: Wokandapix/CC.

Entre os dias 9 e 13 de setembro, em Brasília, dirigentes do Escritório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, da Agência Cooperação Brasileira (ABC) e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) do Brasil receberam representantes da área de alimentação escolar dos governos do Chile e do Panamá para uma visita técnica sobre a experiência brasileira com o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Aplicado no Brasil há mais de 60 anos, o PNAE atende diariamente mais de 42 milhões de crianças e jovens. O Programa tem cobertura universal e tornou-se uma iniciativa de alimentação escolar referência na América Latina e Caribe.

A delegação chilena foi composta por integrantes da Junta Nacional de Assistência Escolar e Bolsas de Estudo (JUNAEB) – vinculada ao Ministério da Educação do Chile, e a do Panamá contou com representantes dos Ministérios da Educação, Desenvolvimento Social e Desenvolvimento Agropecuário do país.

A visita técnica foi promovida no âmbito do projeto de Cooperação Internacional Consolidação de Programas de Alimentação Escolar, executado de forma conjunta pela FAO e pelo governo brasileiro (representado pela ABC e FNDE) como parte do compromisso assumido pelo Brasil de promover a troca de experiências e boas práticas via Rede de Alimentação Escolar Sustentável (RAES).

A Rede de Alimentação Escolar Sustentável (RAES) é uma iniciativa do governo do Brasil apoiada pela FAO que aproxima países da América Latina e do Caribe no intuito de alcançar os objetivos da Década de Ação das Nações Unidas sobre Nutrição (2016-2025) e as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), proclamados pela Assembleia Geral da ONU em 2016 e 2015, respectivamente.

Programa de Cooperação Internacional Brasil-FAO

Para a coordenadora do projeto de Cooperação Internacional, Najla Veloso, a visita é uma estratégia importante para a promoção de conhecimentos, desenvolvimento das capacidades humanas e ampliação da visão dos atores envolvidos no tema da alimentação escolar. “É uma excelente oportunidade para fortalecer os países, por meio do contato direto com soluções que podem ser adaptadas às suas realidades nacionais”, apontou Veloso.

As delegações do Chile e do Panamá visitaram escolas públicas de Brasília (com o apoio da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal); cooperativas de agricultores familiares; e uma propriedade rural de produtores locais para conhecer a dinâmica de comercialização para a alimentação escolar.

Fortalecendo a agricultura familiar e promovendo a alimentação saudável nas escolas

Desde 2009, os municípios brasileiros são obrigados por lei a comprar pelo menos 30% dos alimentos que servirão para a alimentação de estudantes nas escolas da agricultura familiar.

O Programa de Cooperação Internacional Brasil-FAO tem como objetivo consolidar e fortalecer os programas de alimentação escolar na América Latina e no Caribe, buscando principalmente mudar os hábitos alimentares por meio de ações de educação alimentar e nutricional e da incorporação de produtos frescos e saudável nas escolas.

Ao longo da semana da visita técnica, as delegações do Chile e do Panamá participaram de uma série de atividades que apresentaram tanto o funcionamento quanto a implementação do PNAE brasileiro, política pública que gera renda para as famílias produtoras e promove o desenvolvimento territorial sustentável, tanto do campo quanto das cidades.

Saiba mais sobre a Década de Ação da ONU sobre Nutrição (2016-2025).