FAO: Brasil ampliará cooperação regional para promover agricultura familiar e erradicação da fome

Segundo o representante regional da FAO, agricultura familiar é o melhor aliado na luta contra a fome ao aumentar produção de alimentos e contribuir para emprego rural e desenvolvimento dos territórios.

Foto: ONU

Foto: ONU

A América Latina e Caribe pode ficar à frente de erradicar a fome se continuar promovendo o desenvolvimento da agricultura familiar em seus órgãos de integração regional de mais alto nível, disse o representante regional da Organização da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Raul Benitez, após a primeira reunião ministerial sobre agricultura familiar da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), na última terça-feira (11), em Brasília.

Com o forte apoio da FAO, o Plano da CELAC segue dois objetivos: a erradicação da fome e a promoção da agricultura familiar, temas que se tornaram prioridade política na região e estão se consolidando nos organismos regionais, como o CELAC, MERCOSUL, entre outros.

Segundo Benitez, a agricultura familiar é o melhor aliado na luta contra a fome, não só pelo seu papel na produção de alimentos, mas também por suas contribuições para o emprego rural e o desenvolvimento dos territórios. Além disso, ressaltou que países como o Brasil, o Chile, o México e a Argentina têm compartilhando suas experiências por meio da cooperação internacional.

“Estamos construindo uma plataforma de ação comum e criando um ambiente de cooperação entre os países que consideram a expansão da produção, a criação de mecanismos de apoio aos agricultores, o desenvolvimento agrícola e as políticas agrícolas e comerciais”, disse o ministro do Desenvolvimento Agrário do Brasil, Miguel Rossetto, na ocasião. “O Brasil continuará cooperando com a região e a FAO é um parceiro estratégico para isso”, acrescentou.

Na reunião ministerial, os países da CELAC aprovaram um documento com as diretrizes para o desenvolvimento da agricultura familiar na região e criaram um grupo de trabalho para elaborar e fortalecer as estratégias de redução das diferenças regionais, a promoção do desenvolvimento sustentável e a articulação da cooperação entre os países. Além disso, também aprovaram a Declaração Ministerial da CELAC sobre a Agricultura Familiar de Brasília.