FAO aprova orçamento de um bilhão de dólares para seu programa de trabalho

Entre as decisões tomadas na conferência anual da agência da ONU se encontram planos de descentralização, com o objetivo de aproximar mais a FAO das populações que ela apoia.

Mulher vendendo legumes na Gâmbia, um dos países atendidos pela FAO no combate à fome. Foto: FAO / Seyllou Diallo

Mulher vendendo legumes na Gâmbia, um dos países atendidos pela FAO no combate à fome. Foto: FAO / Seyllou Diallo

A Conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) se encerrou neste sábado (13) com aaprovação de um impulso de um bilhão de dólares no orçamento e uma chamada a renovar os esforços no sentido de descentralização geográfica – um passo que vai aproximar a agência das populações que apoia.

“Se a principal missão da FAO é acabar com a fome e a desnutrição, então a FAO precisa oferecer suporte holístico, precisa de apoio à produção e gestão sustentáveis dos recursos naturais, tem de ser capaz de oferecer suporte em proteção social para reduzir a pobreza rural, precisa melhorar o acesso a mercados de agricultores familiares e precisa ajudar a construir capacidade de resiliência em populações rurais”, declarou o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, em seu discurso de encerramento.

Graziano da Silva também saudou a decisão da Conferência de aprovar um orçamento regular de pouco mais de 1 bilhão de dólares para a entrega do programa de trabalho da FAO, no período 2016-2017, em que se espera que a agência da ONU continue na sua luta contra a erradicação da fome, para elevar os níveis de nutrição e de combate às alterações climáticas.

Ele também falou sobre os planos de descentralização da Organização, que incluem o reforço de escritórios sub-regionais da FAO e a melhoria do apoio da agência em regiões como a África Ocidental, Ásia Central e as ilhas do Pacífico e do Caribe.