Famílias no Iêmen recebem ajuda humanitária pela 1ª vez em 6 meses

No oeste do Iêmen, em torno de 11 mil famílias receberam assistência pela primeira vez desde julho do ano passado, informou nesta terça-feira (15) o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA). Por meio de um cessar-fogo parcial no atual conflito iemenita, organizações humanitárias conseguiram chegar às comunidades de Tuhayat e Darayhimi, ao sul da cidade portuária de Hodeida.

Mulheres iemenitas fazem fila para receber assistência humanitária em Hodeida, em novembro de 2018. Foto: PMA/Marco Frattini

Mulheres iemenitas fazem fila para receber assistência humanitária em Hodeida, em novembro de 2018. Foto: PMA/Marco Frattini

No oeste do Iêmen, em torno de 11 mil famílias receberam assistência pela primeira vez desde julho do ano passado, informou nesta terça-feira (15) o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA). Por meio de um cessar-fogo parcial no atual conflito iemenita, organizações humanitárias conseguiram chegar às comunidades de Tuhayat e Darayhimi, ao sul da cidade portuária de Hodeida.

A cessação de hostilidades entre forças do governo e milícias houthi da oposição é fruto de diálogos liderados pelas Nações Unidas.

“Pela primeira vez desde o aumento de confrontos em Hodeida, em junho de 2018, o PMA conseguiu auxiliar áreas de difícil acesso de Tuhayat e Darayhimi”, disse o porta-voz Hervé Verhoosel. “Isto pode ser graças a uma desescalada inconsistente ao longo dos dias recentes, após as conversas de paz de dezembro em Estocolmo, Suécia.”

A ajuda humanitária foi distribuída de Hodeida – um reduto houthi – e de Áden, controlada pelo governo internacionalmente reconhecido do presidente Abd Rabbu Mansour Hadi.

“Até o momento, o PMA despachou mais de 3.334 toneladas de assistência alimentar para estas áreas, simultaneamente de Áden e Hodeida”, explicou o representante do programa. Verhoosel acrescentou que “8.125 residências em Tuhayat receberam assistência suficiente para dois meses e 2.662 famílias em Darayhimi, ao sul de Hodeida, receberam alimentos”.

“Estes foram os primeiros envios humanitários entregues desde julho de 2018, quando um caminhão contratado pelo PMA foi atingido na área”, completou o porta-voz.

No mês passado, o PMA aumentou a entrega de alimentos e vouchers para cerca de 9 milhões de pessoas no Iêmen. Em novembro, o número era de 7 a 8 milhões. O objetivo nas próximas semanas é alcançar 12 milhões de iemenitas, com o objetivo de evitar a fome no país. O Iêmen já era uma das nações mais pobres do mundo antes do agravamento do conflito, em março de 2015.

“Nós iremos nos adaptar diariamente à situação de segurança no terreno”, disse Verhoosel. “Nós encorajamos, claro, todas as partes a manterem as negociações sob (a coordenação do) enviado especial do secretário-geral.”

Equipe da ONU em Hodeida monitora cessar-fogo

A equipe de monitoramento das Nações Unidas que supervisiona a implementação do acordo de paz de Estocolmo, assinado pelo governo e por líderes da oposição houthi, continua suas atividades, mas as partes conflitantes se recusaram a realizar encontros presenciais nos últimos dias.

Segundo o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, o general holandês Patrick Cammaert, que comanda o Comitê de Coordenação para Remobilização, tem atuado para encontrar um consenso entre o governo iemenita e os houthis, a fim de redistribuir as tropas presentes em três portos e partes críticas de Hodeida. A cidade é ponto de entrada de mais de 70% de toda a ajuda humanitária e de bens comerciais que chegam ao Iêmen.

Diálogos futuros sobre um acordo de paz para o país dependem da manutenção do atual cessar-fogo, em linha com o acordo feito na Suécia.


Comente

comentários