Falta de confiança na resposta ao ebola gera aumento de transmissão do vírus, alerta OMS

Até o dia 5 de julho, 30 novos casos de ebola foram confirmados na Guiné, Libéria e Serra Leoa, segundo o relatório semanal da agência.

Na Libéria, adolescentes treinadas pelo UNICEF participam de uma ação para acabar com a doença . Foto: UNICEF/Cody Griggers

Na Libéria, adolescentes treinadas pelo UNICEF participam de uma ação para acabar com a doença . Foto: UNICEF/Cody Griggers

A Organização Mundial da Saúde disse, nesta quarta-feira (08), que a falta de confiança das comunidades na resposta ao ebola tem contribuído para aumentar o risco de transmissão nos três países africanos mais afetados. Até o dia 5 de julho, 30 novos casos de ebola foram confirmados na Guiné, Libéria e Serra Leoa, segundo o relatório semanal da agência.

O sexto encontro do Comitê Regulador de Emergência de Saúde Internacional relacionado ao surto de ebola na África Ocidental advertiu que a propagação do vírus continua sendo uma emergência de saúde pública de preocupação internacional e que o controle na saída de pessoas dos três países mais afetados deve continuar. Além disso, pediu uma colaboração mais estreita entre o controle transfronteiriço, principalmente entre Guiné e Guiné-Bissau.

“Uma falta de confiança residual na resposta em algumas comunidades afetadas significa que alguns casos escapam a detecção por muito tempo, aumentando o risco de aumentar a transmissão oculta”, disse a OMS, adicionando que existe uma possibilidade que a propagação do vírus chegue novamente às capitais da Serra Leoa e Guiné. A agência informou também que as origens dos novos focos de infecção na Libéria são desconhecidas.

Essas avaliações chegam antes da reunião que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, convocou na sede da ONU. A Conferência Internacional para a Recuperação do Ebola tem a intenção de obter a atenção internacional para os esforços de recuperação nos três países africanos impactados pelo surto.