Exposição sobre vida de Anne Frank e relação Brasil-Holanda chega a São Paulo com apoio do PNUD

Em um evento paralelo, o coordenador residente da ONU no Brasil participará do debate sobre paz, justiça e organizações necessárias para criar um futuro melhor.

Exposição Brasil e Holanda - Paz e Justiça - refletindo sobre o passado, construindo um futuro melhor. Imagem: Reprodução

Exposição Brasil e Holanda – Paz e Justiça – refletindo sobre o passado, construindo um futuro melhor. Imagem: Reprodução

mostra “Brasil e Holanda – Paz e Justiça – refletindo sobre o passado, construindo um futuro melhor” traz para São Paulo a exposição itinerante Anne Frank: uma história para hoje, que já percorreu diversos estados brasileiros e foi vista por mais de 14 milhões de pessoas em 90 países. A exibição traça um paralelismo entre a vida de Anne Frank, a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto com o objetivo de criar reflexão sobre temas atuais de direitos humanos e questões de exclusão social e discriminação, bem como usando a memória coletiva sobre essas violações do passado como forma de honrar as vítimas e construir um presente mais justo e democrático.

A mostra também aborda o período de ditadura civil-militar, que deixou marcas profundas, com consequências até hoje. Apresentada em algumas das cidades-sede da Copa do Mundo, como Brasília, Salvador, Belo Horizonte, São Paulo e, entre outubro e novembro, em Porto Alegre, a exposição tem a intenção de mostrar que a relação entre o Brasil e a Holanda vai muito além do futebol, abrangendo uma vasta herança cultural compartilhada e focada em temas como justiça internacional, direitos humanos e educação para uma cultura de paz.

Paralelamente à exposição, acontece um debate sobre os conceitos de paz e justiça e sobre as instituições que são necessárias para a criação de um futuro melhor para todos. O debate conta com palestrantes como Jorge Chediek, coordenador-resi ente do Sistema Nações Unidas no Brasil e representante residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil; Nanette Konig, sobrevivente do Holocausto e ex-colega de escola de Anne Frank no Liceu Judaico; Rogério Sottili, secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo; entre outros.

Esta é uma iniciativa da Embaixada dos Países Baixos, em Brasília, com realização da Casa Anne Frank, Instituto Plataforma Brasil e Senac São Paulo. São parceiros neste evento o PNUD, a Prefeitura de Amsterdã, a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo e os amigos da Casa Anne Frank no Brasil. O evento tem entrada gratuita e será aberto ao público em geral na Biblioteca do Centro Universitário Senac – Santo Amaro, de 11 de agosto a 4 de outubro de 2014.