Exposição sobre povo Guarani-Kaiowá ajuda a conhecer melhor uma das etnias mais antigas do Brasil

Mostra vai até 26 de abril na Câmara dos Deputados, em Brasília. Fotografias, desenhos e entrevistas ajudam a compreender costumes e cultura de dois povos: Guarani-Kaiowá e Pai Tavytera.

Exposição 'Olhares Cruzados' ajuda a entender melhor as tradições e a cultura dos povos Kaiowá e Pai Tavytera.

Exposição ‘Olhares Cruzados’ ajuda a entender melhor as tradições e a cultura dos povos Kaiowá e Pai Tavytera.

A exposição “Olhares Cruzados – Guarani Kaiowá – Pai Tavytera” — atualmente na Câmara dos Deputados, em Brasília — é fruto do projeto de mesmo nome que surgiu para fortalecer a identidade e valorizar a cultura e a tradição dessas desses dois povos Guarani, uma brasileira e a outra paraguaia, respectivamente.

A mostra, que fica no local até o dia 26 de abril, contribuiu para ampliar a percepção dessas tribos sobre suas próprias culturas e também para fortalecer a luta pelos direitos além das fronteiras.

Dezesseis mosaicos de fotografias, desenhos e entrevistas de crianças e adolescentes indígenas compõem a mostra. Eles são frutos do projeto “Olhares Cruzados, parceria entre a OSCIP ‘Imagem da Vida’, o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), o Conselho Aty Guasu, a ONG Nossa Tribo e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O projeto foi iniciado em 2004 com o objetivo de integrar jovens brasileiros de comunidades indígenas e quilombolas, latino-americanas, africanas e de países fruto da diáspora africana. Até agora 1.500 pessoas já participaram da iniciativa, que contempla Brasil, Angola, Moçambique, Senegal, Haiti, República Democrática do Congo (RDC), Mali, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Bolívia, Paraguai e Etiópia.

Os trabalhos realizados são publicados através de livros e filmes, expostos aqui no Brasil e no exterior. Atualmente já foram produzidos quatro documentários e dez livros, enquanto outros dois ainda estão sendo editados. As atividades que foram realizadas especialmente para a exposição foram documentadas e podem ser encontradas no livro e filme dirigido por Nilton Pereira, que tem o mesmo nome da mostra.

Em 2010, o projeto fez com que sua coordenadora, Dirce Carrion, fosse condecorada com a Ordem do Rio Branco. Segundo ela, o fato de as crianças terem que se comunicar com outras pessoas de outras regiões do planeta faz com que elas obrigatoriamente pensem sobre si mesmas, o que aumenta o sentimento de pertencimento àquele povo, fortalecendo as tradições indígenas.

Os Guarani são um dos maiores povos latino-americanos e, apesar de estarem minguando desde a colonização do continente pelos europeus, ainda formam a etnia mais populosa do estado do Mato Grosso do Sul. Esta população ainda vive uma difícil situação no que se refere aos seus direitos humanos.