Exposição fotográfica em Brasília mostra inclusão trabalhista de populações vulneráveis

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) inauguram na quinta-feira (8) em Brasília (DF) a exposição “Os caminhos da igualdade e o trabalho decente: uma mostra dos resultados do Projeto de Promoção do Trabalho Decente para Pessoas em Situação de Vulnerabilidade”.

A mostra reúne a obra do fotógrafo humanitário irlandês Jason Lowe, que mergulhou nos bastidores de projetos desenvolvidos por OIT Brasil e MPT. Ele captou a trajetória de pessoas em situação de vulnerabilidade que, por meio das iniciativas, conquistaram oportunidades de formação e ingresso no mercado de trabalho.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) inauguram na quinta-feira (8) em Brasília (DF) a exposição “Os caminhos da igualdade e o trabalho decente: uma mostra dos resultados do Projeto de Promoção do Trabalho Decente para Pessoas em Situação de Vulnerabilidade”.

A mostra reúne a obra do fotógrafo humanitário irlandês Jason Lowe, que mergulhou nos bastidores de projetos desenvolvidos por OIT Brasil e MPT. Ele captou a trajetória de pessoas em situação de vulnerabilidade que, por meio das iniciativas, conquistaram oportunidades de formação e ingresso no mercado de trabalho.

As fotografias mostram o processo de transformação das pessoas beneficiadas. “Gosto de estar invisível nesses espaços. Passo muito tempo em silêncio e me emociono ao perceber como a descoberta do conhecimento ilumina os rostos das pessoas”, disse Lowe, que montou um acervo com mais de 4 mil fotografias.

Uma das ações de maior destaque em termos de número de beneficiários, resultados e abrangência geográfica é o Cozinha&voz, projeto voltado para a formação de pessoas transexuais como assistentes de cozinha. Sob a coordenação técnica da cozinheira Paola Carosella, a iniciativa tem apoio da nutricionista Neide Rigo e de Fernanda Cunha, que faz parte da equipe de Paola.

A atriz e poeta Elisa Lucinda e a atriz e diretora Geovana Pires também promovem dentro do projeto oficinas nas quais alunos e alunas, por meio da poesia, criam novas ferramentas para a comunicação no trabalho, acessam sonhos e constroem novos caminhos.

John Maia, de 35 anos, um homem transexual que participou do “Cozinha&Voz” em Goiânia (GO), é uma das pessoas retratadas na mostra. Ex-detento, John chegou a viver em situação de rua no centro de São Paulo e atualmente é monitor de projetos voltados a populações vulneráveis na capital goiana. Ele se emociona ao falar dos caminhos abertos após participar da primeira edição do programa.

“Eu saí de todos os lugares. Eu saí da rua. Eu saí do presídio. O colchão deles um dia já foi meu colchão. Então, eu inspiro pessoas, porque (elas) veem que podem mudar de vida”, disse John.

A cozinha e a voz andam juntas no projeto, complementam-se na formação do grupo. Dessa experiência, nasceu a palestra-show “Palavra é Poder”, na qual Elisa Lucinda, entre situações cotidianas e poemas, reflete sobre temas como discriminação, racismo e a busca por igualdade e justiça social. Na mesma noite da abertura da exposição, ela fará uma palestra-show.

Sobre o projeto

Lançado em outubro de 2017, o Projeto de Promoção do Trabalho Decente para Pessoas em Situação de Vulnerabilidade é uma parceria entre OIT Brasil e MPT. O objetivo é contribuir para a defesa e o cumprimento dos direitos humanos, com enfoque nos direitos laborais e na promoção do trabalho decente para pessoas e grupos em condição de vulnerabilidade. Para isso, o projeto promove ações de inclusão efetiva de grupos excluídos em razão de preconceitos de natureza diversa.

“A exposição faz parte das comemorações no Brasil do centenário da OIT. Com ela, queremos compartilhar conhecimento de boas práticas e contribuir ainda mais para a promoção do trabalho decente para pessoas e grupos em condição de vulnerabilidade”, disse o diretor do escritório da OIT no Brasil, Martin Georg Hahn.

Após quase dois anos de trabalho, muitas ações já são consideradas boas práticas: Versos de Liberdade; Aprendizando POA; Cozinha&Voz; Ubuntu; Começar de Novo; Canal Preto; Igualando Oportunidades: trabalho e cidadania; Mulheres Coralinas; Guia e vídeo sobre assédio sexual no trabalho; documentário “As recicláveis”; série “O futuro que queremos”; “Não há limites para o trabalho digno”; Jovens promotores de direito antidiscriminatório; Formação profissional e inclusão de jovens em medidas socioeducativas; Costurando Poemas; Longe das ruas, perto dos sonhos; Mulheres sobreviventes ao escalpelamento; e Solano Trindade.

Mais de 2 mil pessoas foram atendidas diretamente pelas ações e iniciativas do projeto, receberam formação profissional e muitas foram encaminhadas ao mercado de trabalho. Os materiais de campanhas de sensibilização e de informação foram e continuam sendo vistos e utilizados na formação de trabalhadores, empregadores, governos e atores da sociedade civil, gerando um impacto positivo em um número quase incalculável de pessoas.

2019: OIT celebra 100 anos de trabalho pela justiça social

O ano de 2019 marca 100º aniversário da OIT, a agência especializada da ONU para o mundo do trabalho. Nascida após a Primeira Guerra Mundial, a OIT foi criada em 1919, como parte do Tratado de Versalhes que pôs fim à guerra. A Organização foi fundada na crença de que a justiça social é essencial para a paz universal e duradoura. A OIT tornou-se a primeira agência especializada da ONU em 1946.

O Centenário oferece uma oportunidade não apenas de olhar para trás e celebrar a história e as realizações da OIT, mas também de olhar para o futuro. O centésimo aniversário proporciona uma plataforma única para reafirmar a relevância do mandato de justiça social da OIT e da Agenda do Trabalho Decente, e traçar um caminho que permitirá à Organização enfrentar novos desafios ao entrar em seu segundo século.

A OIT é a única agência das Nações Unidas que tem estrutura tripartite, na qual representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores dos 187 Estados-membros participam em situação de igualdade das diversas instâncias da Organização.