Experiência brasileira de apoio à agricultura familiar é destaque em seminário na África

Evento contou com a participação do ex-presidente brasileiro, Lula, que reafirmou a importância do compromisso político dos países em apoio à agricultura familiar e combate à fome.

Crianças etíopes beneficiadas pela cooperação Sul-Sul, com tecnologia social brasileira. Foto: PMA/Silvanus Okumu

Com o apoio do governo brasileiro, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) promoveram em Adis Abeba um evento para trocar experiências e mercados institucionais, entre os dias 2 e 6 de junho.

O “Seminário de Trocas de Experiências do Programa de Aquisição de Alimentos África (PAA África) e Mercados Institucionais” reuniu autoridades e participantes dos cinco países do programa PAA África – Etiópia, Malaui, Moçambique, Níger e Senegal, e de outros países, incluindo o Brasil e o Reino Unido.

Durante o evento foram discutidos os avanços e desafios para a concepção e implementação de mercados institucionais no continente africano, num quadro de desenvolvimento sustentável.

“Os governos podem desempenhar um papel direto na criação de oportunidades de mercado e ligando os pequenos agricultores aos mercados através de sistemas públicos de aquisição de alimentos. Ao promover circuitos locais, os programas de aquisição de alimentos podem contribuir para compensar os custos crescentes das importações de alimentos e gerar um impacto positivo na renda familiar e na segurança alimentar”, disse o representante da FAO para Gana e vice-representante regional para a África, Lamourdia Thiombiano.

O encontro permitiu a troca de experiências de parceiros regionais e internacionais, contando com a participação do Brasil, que compartilhou os resultados de suas ações positivas para vincular os pequenos agricultores às oportunidades oferecidas pelo mercado.

“Com o acúmulo da experiência brasileira que reúne inclusão produtiva rural, assistência alimentar e proteção social, com o Estado como um agente ativo do desenvolvimento, abre-se uma oportunidade para a troca com outros países”, disse o coordenador-geral de Ações Internacionais de Combate à Fome do Ministério das Relações Exteriores, Milton Rondó Filho.

Entre os brasileiros presentes, o seminário contou com a participação da ex-ministra do Desenvolvimento Social, Márcia Lopes, o diretor do Centro Rio+, Romulo Paes, e o ex-presidente brasileiro, Lula, que reafirmou a importância do compromisso político dos países em apoio à agricultura familiar e combate à fome.

“O mais importante de tudo é a vontade política e a determinação dos governantes para se comprometer firmemente com o combate à exclusão social em seus países. Sem a parceria dos governos, o PAA não pode ser concretizado. Sem o apoio da sociedade civil organizada de cada país, o PAA não sai do papel, mesmo que tenha dinheiro”, disse Lula.

Na ocasião, o diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, e a diretora executiva do PMA, Ertharin Cousin, através de mensagens de vídeo, reafirmaram o compromisso das respectivas agências da ONU no apoio às compras locais de alimentos da agricultura familiar para a assistência alimentar.