Evolução das operações de paz requer uma parceria mais forte, diz Conselho de Segurança

Um Painel de Alto Nível sobre o tema recomendou que esse tipo de cooperação seja reforçada para garantir ao Conselho uma ‘rede mais resiliente e com integrantes mais capacitados’.

Conselho de Segurança debate organizações regionais e de segurança global. Foto: ONU/ Rick Bajornas

Conselho de Segurança debate organizações regionais e de segurança global. Foto: ONU/ Rick Bajornas

Uma vez que a Organização das Nações Unidas cada vez mais compartilha a responsabilidade pela paz e segurança com as organizações regionais, todo o possível deve ser feito para ajudá-las a resolver problemas regionais e incluir os Estados preocupados em suas soluções, disse nesta terça-feira (18) o secretário-geral, Ban Ki-moon.

“Ao mesmo tempo, as organizações regionais devem continuar a contribuir para os esforços de paz e de segurança das Nações Unidas. Contamos com elas pela influência política, assim como por suas capacidades civis e militares”, disse Ban ao Conselho de Segurança, durante um debate aberto sobre o tema das organizações regionais e desafios da segurança global contemporânea.

O secretário-geral está analisando o relatório do Painel Independente de Alto Nível sobre Operações de Paz para identificar quais recomendações da Organização podem ser realizadas “imediatamente” – e aquelas que dependem dos órgãos legislativos, dos Estados-Membros e de parceiros.

Uma dessas recomendações é uma “parceria global-regional mais forte” para garantir que o Conselho de Segurança possa recorrer a uma “rede mais resiliente e com integrantes mais capacitados”, destacou Ban, notando que a cooperação com organizações regionais e sub-regionais ganhou “maior influência” nos últimos anos.

“O Painel recomenda o aprofundamento da parceria estratégica ONU-UA (União Africana). Concordo plenamente. Quase dois terços das nossas operações de paz e quase 90% das nossas forças de paz uniformizadas estão destinadas na África”, declarou o secretário-geral.