Evento internacional em Brasília discute integração de cadastros de políticas públicas

Cerca de 150 especialistas e representantes de países da América Latina, Europa, África e Ásia participaram do encontro. Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU apoiou a participação de representantes de Gâmbia, Moçambique e Etiópia.

Mais de 150 pessoas pessoas participaram do seminário. Foto: Lia de Paula/MDS

Mais de 150 pessoas pessoas participaram do seminário. Foto: Lia de Paula/MDS

Cerca de 150 especialistas e representantes de países da América Latina, Europa, África e Ásia se reuniram para compartilhar boas práticas e discutir aspectos institucionais e tecnológicos da integração de bases de dados e sistemas de informação, no âmbito das políticas públicas de proteção social.

O Seminário Internacional de Integração de Bases de Dados e Sistemas de Informação para Aperfeiçoamento de Políticas Públicas aconteceu em Brasília, entre os dias em 5 e 6 de abril.

No evento, países que conseguiram reduzir a fragmentação entre seus sistemas de informação – como Austrália, Chile, Uruguai, Argentina e Letônia – destacaram as lições aprendidas e desafios enfrentados ao longo do processo.

O Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) apoiou a participação de representantes de Gâmbia, Moçambique e Etiópia, que puderam se envolver nas discussões sobre caminhos possíveis para a integrar bases de dados em diferentes contextos.

Segundo a ONU, a integração de bases de dados tem se mostrado uma estratégia bem-sucedida no campo das políticas públicas, pois permite um mapeamento preciso dos beneficiários de programas sociais, além de eliminar esforços duplicados na manutenção de sistemas e facilitar a vida do cidadão que é beneficiado por programas sociais.

Graças a este tipo de abordagem, entidades independentes de um mesmo governo podem se comunicar e funcionar em sinergia, compartilhando informações e contribuindo para tomada de decisões conjuntas e para a avaliação da eficácia e do êxito de programas sociais.

Fanta Bai Secka, diretora de Bem-Estar Social do Ministério da Saúde e Bem-Estar Social de Gâmbia, destacou a importância desse tipo de intercâmbio de conhecimento entre países. “Nossa política de proteção social acabou de ser aprovada. Logo, estar presente neste evento foi bastante oportuno para nós. A criação de um cadastro único será uma das nossas prioridades”, afirmou.

Na avaliação de Gertrudes Abneiro Jonas, representante do Ministério do Gênero, Criança e Ação Social de Moçambique, o encontro vai contribuir para que seu país possa dar passos significativos rumo à implementação de um sistema integrado de dados.

“Este seminário é uma oportunidade ímpar para nós. Apesar de nos encontrarmos numa fase ainda muito embrionária neste processo, tivemos a oportunidade de ver como os outros países caminharam, quais foram seus ganhos. O impacto vai ser muito positivo para nós, as aprendizagens que nós tivemos aqui vão nos ajudar bastante na definição das nossas políticas”, disse Jonas.

O seminário foi realizado pela Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc) do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome do Brasil, em parceria com a Iniciativa Brasileira de Aprendizagem por um Mundo sem Pobreza (WWP).